SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.27ADAPTACIÓN TRANSCULTURAL Y VALIDACIÓN PSICOMÉTRICA DE INSTRUMENTO DE CALIDAD DE VIDA EN CUIDADOS PALIATIVOSVALIDACIÓN DEL CONTENIDO DE TECNOLOGÍA EDUCATIVA PARA LA ENFERMERÍA EN SALUD AMBIENTAL índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Indicadores

Links relacionados

  • En proceso de indezaciónCitado por Google
  • No hay articulos similaresSimilares en SciELO
  • En proceso de indezaciónSimilares en Google

Compartir


Ciencia y enfermería

versión On-line ISSN 0717-9553

Resumen

DA ROCHA CABRAL, Juliana et al. ADESÃO À TERAPIA ANTIRRETROVIRAL EM MULHERES: INFLUÊNCIA DO PERFIL CLÍNICO E COMPORTAMENTAL DE SAÚDE. Cienc. enferm. [online]. 2021, vol.27, 25.  Epub 19-Nov-2021. ISSN 0717-9553.  http://dx.doi.org/10.29393/ce27-25atjr60025.

Objetivo: Analisar a adesão à terapia antirretroviral em mulheres vivendo com HIV a partir do perfil clínico e comportamental de saúde. Material e Método: Estudo epidemiológico, descritivo, transversal, com abordagem quantitativa. A população foi composta por mulheres que vivem com HIV que são assistidas pelos Serviços de Assistência Especializada (SAEs) em HIV em cinco municípios localizados na I Gerência Regional de Saúde (GERES) de Pernambuco, Brasil. A amostragem do estudo ocorreu por intermédio do método não probabilístico, um sorteio aleatório, com o intuito de atingir um representação de 30% do total de serviços adscritos na I GERES. Os participantes do estudo compuseram a amostra, também a partir de um método não probabilístico por conveniência, por tanto, 184 mulheres vivendo com HIV fizeram parte do estudo. A coleta de dados ocorreu no interstício compreendido entre junho a agosto de 2018. Utilizou-se o Cuestionario Evaluación de la Adhesión al Tratamiento Antirretroviral (CEAT-VIH) para mensurar a adesão das participantes. Resultados: Apresentaram maior prevalência para uma boa adesão: o grupo que se enquadra no nível de instrução superior incompleto/completo apresenta 1,69 vezes mais prevalência de adesão à Terapia Antirretroviral (TARV); mulheres não ativas sexualmente apresentam 103% de chances a mais para uma boa adesão; e aquelas em que cujo prontuário não consta informação de abandono à TARV: 94%. Conclusão: À luz dos desafios atuais associados à adesão à TARV, tem-se evidenciado a necessidade da elaboração de estratégias de cunho social destinadas a mulheres vivendo com HIV a fim de promover melhor qualidade de vida a essa população.

Palabras clave : HIV; Mulheres; Adesão à medicação.

        · resumen en Español | Inglés     · texto en Español     · Español ( pdf )