SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
 número40As transmidiações na produção de conteúdos jornalísticos especializados em economia índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Em processo de indexaçãoCitado por Google
  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO
  • Em processo de indexaçãoSimilares em Google

Compartilhar


Cuadernos.info

versão impressa ISSN 0719-3661versão On-line ISSN 0719-367X

Cuad.inf.  no.40 Santiago jun. 2017

http://dx.doi.org/10.7764/cdi.40.814 

TEMAS GENERALES

Jornalismo literário, direitos humanos e integração: um caso português

Literary journalism, human rights and integration: a portuguese instance

Periodismo literario, derechos humanos e integración: un caso portugués

Alice TrindadeA  , Rita InácioB 

A Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal. (atrindade@iscsp.ulisboa.pt).

B Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal. (ritainacio@hotmail.com).

RESUMO:

O jornalismo literário relata histórias reais, que geram debate e interpretação, tendo, assim, uma função social. Este é o ponto de partida epistemológico deste artigo, que escrutina como este género atrai leitores, colocando na agenda as temáticas de direitos humanos e inte gração. Oito artigos vencedores do pré- mio português ‘Direitos Humanos & Integração’, entre 2006 e 2014, consti tuem o foco deste trabalho. O objetivo é inquirir quais as motivações dos jorna listas para o uso do jornalismo literário, utilizando para isso uma metodologia qualitativa. Conclui-se que tema e género se beneficiam mutuamente, o que gera qualidades relevantes para o futuro do jornalismo.

Palavras-chave: jornalismo literário; prémios de jornalismo; direitos humanos; integração; Portugal

ABSTRACT:

Literary journalism reports on real stories that entice audiences to debate and interpretation, thus fulfilling a role of societal importance. The paper departs from this epistemological standpoint, scrutinizing how this genre captivates the public, while setting the agenda on human rights and integration. Eight articles that won the Portuguese award ‘Direitos Humanos & Integração’ between 2006 and 2014 constitute the corpus. The goal is to discern the motives that led authors to this genre choice, by using qualitative methodology. Issues and genre are found to be mutually beneficial, whilst the latter demonstrates features that are relevant to journalism future.

Keywords: literary journalism; journalism awards; human rights; integration; Portugal

RESUMEN:

El periodismo literario informa historias reales que originan debate e interpreta ción, y por lo tanto tienen una función societaria. Este es el punto de partida epis temológico del artículo, que analiza cómo este género atrae a los lectores, mientras coloca en la agenda temática los dere chos humanos y la integración. El corpus de análisis lo constituyen ocho artícu los que ganaron el galardón portugués “Direitos Humanos & Integração”, entre 2006 y 2014. El objetivo es indagar cuá les son las motivaciones de los periodis tas para el uso del periodismo literario, utilizando para eso metodología cualita tiva. Llegamos a la conclusión que temas y género son mutuamente benéficos y que esto tiene cualidades importantes para el futuro del periodismo.

Palabras clave: periodismo literario; galardones periodísticos; derechos humanos; integración; Portugal

INTRODUÇÃO

O jornalismo literário pesquisa, organiza e relata histórias reais, detalhadas e envolventes que cativem o público para assuntos que são considerados pelo autor como relevantes para o conhecimento público, merece dores de serem discutidos e interpretados, tendo, por isso, uma função societária. Este é o ponto de partida epistemológico do presente artigo, que se propõe escrutinar como este género pode atrair leitores, colocando na agenda mediática as temáticas dos direitos humanos e integração. A pesquisa será feita através da análise do Prémio de Jornalismo português “Direitos Huma nos & Integração”, na categoria de imprensa escrita, atribuídos a artigos escritos entre 2006 e 2014. 20071 marca o início da atribuição deste Prémio, na catego ria de Imprensa Escrita, uma iniciativa conjunta da Comissão Nacional da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) e do Gabinete para os Meios de Comunicação Social, orga nismo extinto em Fevereiro de 2015. Assim, o último prémio analisado por este artigo foi o de 2014, ainda que a sua atribuição prossiga, em moldes ligeiramente diferentes, até ao momento atual através da cooperação da entidade nacional da UNESCO com outros organismos oficiais portugueses. A designação do prémio não se manteve inalterada ao longo do tempo, sendo as diferentes designações referidas adiante neste artigo. Contudo, o objectivo pretendido, o de chamada de aten ção de jornalistas, meios e público para as questões de direitos humanos e integração mantiveram-se inaltera das, sendo considerado assim adequado considerá-lo como uma distinção única para efeitos deste estudo.

Baseado em autores como Connery, 1992; Sims & Kramer, 1995; Chaparro, 1999; Hartsock, 2000; Trin dade, 2006 e Santos, 2007, recorrese a um chão teó rico que fundamenta este género, o tipifica e consagra. Em termos de pesquisa aplicada, o grande objetivo é inquirir quais as principais motivações dos jornalis tas que os levam a usar o jornalismo literário no tratamento dos temas referidos. Para este efeito, serão utilizadas duas técnicas de recolha e análise de dados qualitativos, a saber: a análise de conteúdo nas repor tagens vencedoras, e entrevistas semi-estruturadas à entidade promotora do prémio e a seis dos jornalis tas distinguidos, Maria do Céu Neves, Sandra Nobre, Ricardo Rodrigues, Sara Sá, Paulo Moura e Isabel Nery.

É notório que os prémios de jornalismo contribuem não só para o reconhecimento interpares dos profissio nais mas também para a maior visibilidade dos assuntos presentes nos trabalhos distinguidos: “Using awards as an indicator implies that quality is defined relative to the craft norm.” (Rolland, 2006, p. 951). Assim, o pré mio em análise incita à inclusão das questões dos direi tos humanos e da integração social na agenda pública e mediática, enquanto contribui para a consolidação da própria mestria na escrita desenvolvida pela classe.

O artigo surge em cinco partes: a primeira, contendo o marco teórico que, iniciado no século XIX e até aos dias de hoje, constrói esta área do jornalismo. Segue -se nota metodológica com a apresentação das técni cas de recolha de dados utilizadas, análise de conteúdo das peças jornalísticas e de entrevistas. Em sequência surge a análise dos dados obtidos e respetiva discus são. Por fim, são apresentadas as considerações finais, que abrem diferentes portas de investigação futura, em especial no momento atual de desenvolvimento formal do jornalismo literário e de abordagem mediática dos temas direitos humanos e integração.

MARCO TEÓRICO

FORMA E CONTEÚDO: JORNALISMO LITERÁRIO E TEMÁTICAS

É difícil precisar o exato momento histórico em que surgem os primeiros exemplos de jornalismo literário, contudo, atualmente, o género chega-nos com forte refe rência às décadas de 1960 e 1970, nos Estados Unidos da América, com nomes como Truman Capote, Tom Wolfe, Gay Talese, Hunter S. Thompson e Norman Mailer. Segundo John Pauly (Pauly, 2011), o jornalismo literário nasce da necessidade de interpretar a cultura do final do século XX, distanciando-se das categorias padrão da cobertura de notícias que não se adequa vam àquela época, pois não davam resposta a questões como etnicidade, feminismo, ativismo pacífico, rock, drogas, liberação sexual, entre outras.

Contudo, já no século XIX, Matthew Arnold referia um “feather-brained [journalism]”, implicando arti gos de W.T. Stead, na Pall Mall Gazette, anteriormente representativa da linha editorial de Arnold (Old Journa lism), tal como Arnold defende no artigo “Up to Easter”, publicado em The Nineteenth Century (Arnold, 1887). Esses escritos, segundo este autor, revelam-se auda zes mas mal fundamentados, refletindo um jornalismo de cruzada, trazendo à agenda as questões relativas ao underdog, neste caso as questões referentes à Irlanda. Do outro lado do Atlântico, jornalistas como Abraham Cahan, Lincoln Steffens, Ida Tarbell ou Jacob Riis, escreviam, pela mesma altura, jornalismo em todo idêntico: pesquisado em profundidade, detalhado em descrição e diálogo (como Wolfe vai depois tipificar o seu New Journalism (Wolfe & Johnson, 1973), e fazendo o aggiornamento dos temas considerados como mere cedores de tratamento jornalístico.

O jornalismo literário envolve então o reconheci mento, por parte dos editores, jornalistas e leitores, do interesse do tratamento jornalístico de novas realida des, frequentemente afastadas do núcleo de interesses do momento, indo ao encontro do interesse das socie dades pela interpretação de aspetos das culturas suas contemporâneas. Os movimentos jornalísticos ameri canos e ingleses surgem, particularmente, para dar voz à diferença cultural, pelo que grupos minoritários que haviam recebido pouca ou nenhuma atenção por parte da imprensa, passaram a ser tema e gerar visibilidade e interpretação jornalística. Assim, na ótica traduzida no capítulo “Ethnographic Journalism” (Cramer & McDevitt, 2004) o jornalismo literário tem, como potencial, revelar uma ampla gama de realidades e pontos de vista sociais, sobretudo daqueles que são marginalizados, ou até mesmo invisíveis, para a sociedade. Nas pala vras do autor Manuel Chaparro (1999):

Na cultura jornalística, o termo atualidade tem a com plexidade da própria vida. É de vida que se trata, e de todos os seus conflitos e contradições, quando, nos conteúdos jornalísticos, se fala dos acontecimentos sig nificativos para as pessoas, isto é, dos fatos e atas, das falas e revelações imediata ou potencialmente desorga nizativos ou reorganizativos, por seus efeitos imediatos na realidade vivida pelas pessoas. Enquanto atributo de definição do jornalismo, a atualidade tem, além da dimensão temporal, a dimensão da transformação. Os acontecimentos sem essa característica, que nada transformam, não interessam ao jornalismo, porque não interessam ao mundo. (p. 297)

Os ‘acontecimentos significativos para as pessoas’ e a ‘dimensão de transformação’ do jornalismo con jugam-se, de forma particularmente frutífera neste género jornalístico. Com sucesso comercial reconhe cido e praticado em países distantes e distintos (v. os dois volumes Global Literary Journalism, editados por Keeble e Tulloch, em 2012 e 2014, ou o trabalho bem sucedido da associação internacional, fundada em 2006, International Association for Literary Journa lism Studies), foi adotando diversas designações como escrita de não-ficção, jornalismo narrativo (Hartsock, 2000) “NewJournalism" (Wolfe & Johnson, 1973) e, mais recentemente, “New New Journalism” pela mão de Robert Boynton (2005) que dá esta designação à fase de desenvolvimento do jornalismo literário atual, considerando-o rigorosamente relatado, psicologica mente astuto, sociologicamente sofisticado e politica mente consciente.

Essencialmente, o jornalismo literário caracteriza-se pela descrição rica dos espaços e das personagens, a atenção ao pormenor, a incorporação de diálogos, a emotividade e a subjetividade, na medida em que o jor nalista, por vezes, interpreta os fatos que narra (Gillespie, 2012). Esta vertente de jornalismo assemelha-se a muitas outras áreas como a reportagem em profun didade ou até mesmo a etnografia. O autor referido reflete sobre a possível colaboração entre o jornalismo literário e a etnografia, visto que, embora constituam diferentes formas de pesquisa, têm muito em comum (Pauly, 2011): como a etnografia, também o jornalismo literário faz uso da observação direta e participante de modo a descrever e compreender a vida social a par tir da perspetiva dos indivíduos que nela participam.

O PAPEL DO JORNALISMO LITERÁRIO NA VIDA PÚBLICA

Relativamente ao papel que o jornalismo literário desempenha na vida pública, John Pauly (2011) acre dita que nele é vertido um modelo de negociação de criação da realidade pública, de cada dia, que pode voltar amanhã para contar mais. O autor dá a conhecer os pontos de vista de outros autores como James Carey (Pauly, 2011, p. 75), que descreve o jornalismo, conven cional e literário, como uma forma imaginativa através da qual cada democracia fala consigo mesma sobre si própria, ou seja, considera o jornalismo enquanto ati vidade reflexiva e de auto-avaliação da sociedade em geral, dos estados e das elites.

Por sua vez, Norman Sims e Mark Kramer na sua obra de 1995, Literary Journalism. A New Collection of the Best American Nonfiction, elogiam a voz libertadora do jornalismo literário que encontra a verdade nos detalhes da vida real, no quotidiano, sem se deixar ofuscar pelos diferentes países, empresas, burocracias e especialistas. Porém, Pauly discorda, pois apesar de defender que este género jornalístico aspira a tais fins sociais e de compreensão abrangente, todavia acre dita que este ainda não encontrou uma maneira intei ramente satisfatória de o fazer ao pretender manter-se numa posição apartada e de visão privilegiada mas individual, “standing at the edge of society’s institu tions" (Pauly, 2011, p. 75).

O jornalismo literário, e também o convencional, acredita no poder das histórias - no chamado Storytelling e no traço de veracidade factual das notícias as tornar mais apelativas. Os defensores deste género de jornalismo argumentam que este possibilita que a expe riência humana seja revelada de forma mais cativante e convincente, e que leva à ação dos leitores. O seu principal objetivo é, então, incentivar o maior interesse e par ticipação do público nos assuntos noticiados (Gillespie, 2012). Em suma, o jornalismo literário permitirá, em alguns casos, uma maior ligação com o leitor do que o jornalismo convencional, podendo desempenhar um papel relevante na vida pública ao construir histórias à volta de personalidades individuais, conferindo maior humanização à informação e acrescentando elementos que excedem o conhecimento de notícias, por exemplo, estruturando e comunicando pela escrita valores culturais simbólicos em transição, como o de identi dade, referido por Alice Trindade acerca do jornalista cabo-verdiano do início do século XX Pedro Cardoso (Trindade, 2012), ou do actual jornalista angolano Luís Fernando (Trindade, 2016).

Para além disso, o jornalismo literário declara a com preensão intercultural e o progresso humano nas suas metas mais elevadas (Berning, 2011), sendo o conheci mento e o entendimento das diferentes culturas um dos seus principais objetivos (Morton, 2014). Com a globalização, que conduziu à livre-circulação dos indi víduos, a multiculturalidade é uma realidade cada vez mais presente. Representar culturas diferentes da sua revela-se uma tarefa bastante árdua e complexa para os jornalistas. A questão que se coloca é: como refletir com precisão uma sociedade que não é a sua? Há que ter em conta que o contexto cultural afeta o significado dos factos (Morton, 2014).

Esta autora defende que existe diferença entre o conhecer e o representar até porque o conhecer bem assume aspetos epistemológicos e de ética necessários para a representação fidedigna dos factos:

Knowing well is, then, a matter of moral significance, not because cognitive processes are moral or immoral in themselves, but because actions borne out of epis temological practices are subject to ethical judgment. Crucially, while ‘representing well' relies on ‘knowing well' in literary journalism, sound epistemic justifica tion does not always translate into defensible represen tation practices. (Morton, 2014, p. 775)

Por vezes, a profundidade do conhecimento factual e a percetividade face a outras culturas por parte dos jornalistas é limitada, o que dá origem a equívocos e perpetua o conhecimento impreciso dos leitores dos textos sobre aspetos culturais diversos. Reconhecer que os factos recolhidos, em circunstâncias culturalmente específicas, assumem significados diversos, conduz ao aumento da integridade do conhecimento, à verdade e à representação ética.

EMOÇÃO VS. OBJETIVIDADE NO JORNALISMO LITERÁRIO

O jornalismo literário descreve, frequentemente, os sentimentos e as emoções dos indivíduos, sendo por isso considerado mais subjetivo. Consequentemente, daí surge a sua maior crítica: a falta de objetividade. Por exemplo, Kevin Helliker (2013) publicou no Wall Street Journal um artigo com novas provas de que In Cold Blood não é imaculadamente factual como afirmava Capote, pois, ao que parece, houve uma troca de favores entre o repórter e o detetive que conduziu a investiga ção - criando Capote uma imagem mais favorável do trabalho do detetive para conseguir a sua colaboração. Idêntica referência é feita por Sara Coelho (2014) no artigo do jornal português Observador comemorativo dos 55 anos de publicação da obra.

A objetividade é um ideal do jornalismo, um meca nismo de sobrevivência e defesa contra os riscos da profissão, como o são as exigências impostas pelos deadlines, processos de difamação, e pelos diretores e editores dos órgãos de comunicação, sendo que uma das formas de assegurar a objetividade no jor nalismo literário é a utilização das citações das fontes (Wahl-Jorgensen, 2013). Os jornalistas estão autoriza dos a descrever as emoções dos indivíduos que abor dam. No entanto, as citações servem de elemento de prova para a verificação dos factos. Karin Wahl-Jorgensen, no seu artigo de 2013, recorre ao princípio enun ciado por Gaye Tuchman décadas antes, em 1972: “To journalists, like social scientists, the term “objectivity” stands as a bulwark between themselves and critics” (Tuchman, 1972, p. 660). Os jornalistas garantem a sua objetividade removendo-se da participação na histó ria. Ou seja: enquanto jornalista literário, o autor dis tancia-se das suas próprias emoções, mas revelando as experienciadas pelos indivíduos retratados que lhe podem suscitar interpretação, sempre apresentada dessa forma. Como Tuchman referia, a utilização de convenções formais (a utilização de aspas, por exem plo), ou de conteúdo, referentes a convenções sociais aceitas pela comunidade do público, consolida a noção de objetividade daquela comunidade.

As práticas objetivas da informação passam pela fidelidade a princípios de verdade, justiça e impar cialidade. Ora estes são entendidos como requisitos mínimos de qualquer trabalho jornalístico pelo que não constituem critérios explícitos para a atribuição de prémios jornalísticos. Karin Wahl-Jorgensen (2013) revela que, no caso do prémio Pulitzer, que atualmente conta com 14 categorias na área do jornalismo entre as quais a categoria do jornalismo literário e, no que res peita à literatura, a categoria da não-ficção, são valori zados o detalhe, o realismo do diálogo, a reconstrução dos acontecimentos, o monólogo interior e a utilização de vários narradores, entre outros.

PRÉMIO 'DIREITOS HUMANOS & INTEGRAÇÃO'

Antes de mais, importa conhecer as entidades pro motoras do prémio em análise em Portugal, a Comis são Nacional da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) e, espe cialmente, o Gabinete para os Meios de Comunicação Social (GMCS). O GMCS era, até 6 de fevereiro de 2015, o serviço central da administração direta do Estado cuja missão era apoiar o Governo na conceção, execu ção e avaliação das políticas públicas de comunicação social, tendo em vista a qualificação do sector assim como a defesa da liberdade de expressão, do pluralismo e da diversidade, entre outros direitos fundamentais. Assim, as suas competências compreendiam: a parti cipação e execução da política externa nacional para o setor, nomeadamente no tocante à colaboração com os países lusófonos; a aplicação e fiscalização do sistema de incentivos do Estado para a comunicação social; a gestão e disponibilização de acervos documentais sobre o sector e, finalmente, a administração e organização de eventos culturais do Palácio da Foz, sede do organismo. Todavia, o GMCS foi extinto e as suas competências transferidas para a Secretaria Geral da Presidência do Conselho de Ministros, para as Comis sões de Coordenação e Desenvolvimento Regional e para Agência para o Desenvolvimento e Coesão, I.P. (diploma legal do Governo de Portugal, DL n.° 24/2015, de 06 de Fevereiro).

Foi obtida informação sobre a evolução do prémio2 junto dos entrevistados Sérgio Gomes da Silva, Diretor de Serviços de Assessoria, Conceção e Avaliação e Ale xandra Lorena, Técnica do GMCS. O Prémio ‘Direitos Humanos & Integração’, com esta designação, foi atri buído, anualmente, entre 2008 e 2014, e destinava-se a reconhecer e a premiar os melhores trabalhos jornalísticos sobre direitos humanos e integração social, publi cados ou difundidos nos órgãos de comunicação social portugueses. Foi precedido por outro prémio análogo, sem categorias discriminadas, intitulado ‘Prémio Direi tos Humanos, Tolerância e Luta contra a Discriminação na Comunicação Social’. Este prémio apresentou cate gorias distintas, inclusivamente de imprensa escrita a partir de 2007 e, a partir do ano de 2008, passou a ter a designação que perdurou até 2014. Resulta da con jugação desta evolução no Prémio, o número de oito artigos constituintes do corpus deste artigo. Registou, ao longo da sua existência, uma evolução positiva no número de candidaturas ao prémio nas várias catego rias, exceto na rádio cujas inscrições diminuíram como explicou a entrevistada Alexandra Lorena. No ano de 2014, houve um total de 80 candidaturas ao prémio, o que para a dimensão do país constitui um bom número (dados fornecidos por Sérgio Gomes da Silva). A cate goria que recebeu mais candidaturas e que tem maior influência junto da audiência, de acordo com os entre vistados, é a de ‘Meios Audiovisuais’.

O júri manteve o mesmo Presidente, o Professor Guilherme d’Oliveira Martins, uma figura incontes tada do panorama público e cultural português e dois outros membros que variaram ao longo dos anos, sendo que a escolha recaiu sempre em jurados que perten cessem a duas classes: um académico e um profissio nal dos media. No decurso do seu trabalho, os jurados recomendaram que se passasse a atribuir o prémio segundo categorias distintas pois sentiam dificulda des em comparar e avaliar trabalhos difundidos nos diferentes meios, visto que, por exemplo, a imagem é mais poderosa do que o texto. A laureada Maria do Céu Neves concordou na sua entrevista que os prémios de jornalismo tenham categorias - “importante é que eles [os vários prémios de jornalismo] continuem a distin guir os vários tipos de imprensa porque senão depois fica diluído e, normalmente, se formos a ver os grandes prémios são muito da televisão, de facto". Ainda por uma questão de equidade, a organização do prémio decidiu acrescentar uma quarta categoria, estabelecida em 2013 - ‘Comunicação Social Regional e Local’, de modo a que os meios de comunicação regionais e locais não estivessem em desvantagem em relação aos media nacionais, que têm maior capacidade de produção e difusão da informação.

METODOLOGIA

O PRÉMIO, O GÉNERO JORNALÍSTICO, OS GALARDOADOS, OS TEMAS

O jornalismo literário, por norma, é considerado mais humanista e interpretativo e, consequentemente, mais empenhado e cativante do que o jornalismo con vencional. Através do Prémio de Jornalismo “Direitos Humanos & Integração” apreende-se que os jornalistas vencedores optaram por utilizar o jornalismo literário para mergulhar nos temas direitos humanos e integra ção social. Propomos que a utilização do género jor nalismo literário se destina a cativar os leitores para as temáticas dos direitos humanos e integração. O género jornalístico usado será assim, simultaneamente, ins trumento formal e temático, usando as características jornalísticas próprias com objetivos específicos. Ques tiona-se então a forma como esta vertente de jornalismo ajuda a debater estas temáticas e a atrair a atenção dos leitores para as mesmas.

Selecionou-se para análise a categoria de imprensa escrita por ser onde se denota, de forma mais expressiva, o jornalismo literário e de modo a restringir o estudo. Como em 2006 não houve vencedor na categoria, será analisado um total de oito artigos entre 2007 e 2014.

Deste modo, o objetivo geral consiste em compreen der o que motiva os vencedores do prémio a usar o jornalismo literário para cativar os leitores para temas relativos aos direitos humanos e à integração. O estudo destinou-se ainda a analisar os seguintes objetivos específicos: Inventariar os principais autores, atores e temá ticas das reportagens vencedoras - ou seja, identificar os jornalistas literários galardoados por este prémio português e entender quais os grupos sociais e os temas tratados no âmbito das questões de direitos humanos e integração; Identificar quais as características do jornalismo literário presentes nos trabalhos premia dos - com o intuito de exemplificar as particularida des desta corrente jornalística, de forma a ajudar à sua compreensão; Apurar as principais razões que levam os jornalistas vencedores do Prémio “Direitos Huma nos e Integração”, na categoria de imprensa escrita, a abordar estes temas - a fim de entender quais os valores-notícia presentes nesta escolha e a sua importân cia, em termos de interesse público.

Para tal, o estudo serviu-se de duas técnicas qualita tivas de recolha de informação: a análise do conteúdo e a entrevista. As entrevistas foram feitas a seis dos sete jornalistas premiados, de forma a apurar o que os motiva a tratar temas relacionados com os direitos humanos e integração, e a recorrer ao jornalismo literário para cativar os leitores. A única premiada não entrevistada, Susana Moreira Marques, é uma jornalista freelancer, com um volume de j ornalismo literário publicado, Agora e na Hora da nossa Morte. O seu contacto foi impossível em tempo útil, mas refere-se a entrevista dada ao Jornal Público, na edição de 30 de Janeiro de 2013, e disponí vel online (Pinto, 2013). Foram ainda entrevistados dois dos membros do Gabinete para os Meios de Comunica ção Social (GMCS) - o Diretor de Serviços de Assessoria, Concepção e Avaliação, Sérgio Gomes da Silva, e a técnica Alexandra Lorena - para aceder a informações gerais sobre o prémio como a sua origem e o seu princi pal objetivo. As entrevistas são de tipo semi-estruturado, e tiveram lugar em Lisboa, nas seguintes datas: Isabel Nery - 31 de Março (via e-mail); Sandra Nobre -23 de Março; Paulo Moura - 17 de Abril; Ricardo Rodrigues - 23 de Abril; Sara Sá - 29 de Abril (via e-mail); Maria do Céu Neves - 4 de Maio todas em 2015, e presencial mente, exceto as indicadas com obtenção de respostas por correio electrónico.

RESULTADOS

A IMPORTÂNCIA DO TRATAMENTO NOTICIOSO DOS DIREITOS HUMANOS E DA INTEGRAÇÃO SOCIAL

A maioria dos premiados dedica-se à área dos direitos humanos e da integração por considerar ser “obrigação do jornalismo (...) testemunhar, denunciar e controlar os poderes” (Ricardo Rodrigues) neste caso, denunciar o incumprimento dos direitos humanos e/ou a exclusão social, e também por ser missão do jornalismo “dar visibilidade aos sem poder” (Isabel Nery). A segunda razão que conduz os jornalistas a estes temas é o inte resse e identificação que sentem para com os mesmos. Como Paulo Moura refere:

aquilo que acontece ao ser humano é como se aconte cesse connosco (...) há um sentido de justiça normal nas pessoas”, ou seja, são assuntos que tocam a todos pelo que os jornalistas e o próprio público, enquanto seres humanos, não conseguem ficar indiferentes a situações mais sensíveis que podiam perfeitamente acontecer consigo, como a reportagem premiada de 2008 “Portugueses alimentam nova escravatura da Europa”, que mostra que as condições de trabalho prometidas, em ofertas de emprego no estrangeiro, nem sempre são reais. O GMCS concorda com a importân cia do tratamento noticioso dos direitos humanos e da integração social, daí a criação do prémio, pois “a agenda pública é, em grande medida, a agenda mediá tica (...) a Comunicação Social ao tratar estes temas está a sinalizar a sua importância para a sociedade. Hoje em dia, “o que não se passa na Comunicação Social, não existe. (Sérgio Gomes da Silva).

Os jornalistas também referem o facto de estes temas serem esquecidos pela agenda mediática do dia, face ao imediatismo e à crescente rapidez de difusão das notí cias. Ricardo Rodrigues, distinguido em 2010, consi dera que o jornalismo atual está muito ligado à “ordinary life of extraordinary people", portanto aos pormenores de vida das figuras públicas, ao invés da “extraordinary life of ordinary people" que é o que realmente importa: histórias de vida marcantes de pessoas comuns. Desta forma, o jornalista do DN tem a preocupação de tratar temas que escondem chagas sociais, isto é, que estão à vista de todos sem serem notícia, como a questão de existirem muitos portugueses, pertencentes à classe média, com formação e emprego, mas que recebem ordenados muito baixos, que passam fome - reporta gem “Pobres como nós", com a qual venceu o prémio.

Além da questão da procura de inclusão da temá tica em agenda mediática referida por Sérgio Gomes da Silva, a dedicação de alguns jornalistas a estes temas deve-se também a fatores directamente relacionados com a sua formação, frequentemente na área das Ciên cias Sociais, como é o caso da vencedora dos prémios em 2007 e 2008, Maria do Céu Neves, cuja licenciatura em Sociologia a fez refletir sobre estas questões. Outros autores não os escolhem por motivo relacionado com a sua formação académica, mas para aí conduzem a investigação e a escrita do artigo. Por exemplo, no caso de Sara Sá, premiada em 2011, a questão médica associada à mudança de sexo iniciou o processo de pesquisa mas, ao longo da reportagem, a jornalista apercebeu-se de que, mais do que questão médica, aquela era uma história sobre integração social.

Desta forma, os profissionais distinguidos apontam como valores-notícia utilizados para o tratamento noti cioso das temáticas dos direitos humanos e da integra ção social, a atualidade, relevância e interesse humano. Ricardo Rodrigues previne que as questões relacio nadas com os direitos humanos e a integração social são mais estruturais, permanentes, do que atuais. O critério da proximidade também é referido mas, por exemplo, Paulo Moura realizou uma grande reporta gem na China e acredita que mesmo os acontecimen tos mais distantes têm importância e influência, ainda que indireta, em Portugal. O jornalista do Público uti liza como caso ilustrativo deste seu argumento a EDP e a China Three Gorges, a empresa estatal de eletrici dade da China, com participação na portuguesa. Um dos tópicos tratados por Paulo Moura, na coleção de reportagens premiada, foi a barragem Three Gorges, a maior barragem do mundo e um dos maiores proble mas ecológicos chineses. Acontece que a China Three Gorges é a maior acionista da EDP, ou seja, quando os portugueses pagam a sua eletricidade estão a con tribuir, indiretamente, para a empresa que gera essa catástrofe ambiental.

A generalidade dos premiados apenas refere o que os motiva a abordar os temas mas não aponta valores-notícia concretos, até porque os consideram bastante subjetivos. Para além disso, os critérios de noticiabilidade vão-se alterando e dependem da linha editorial definida pelo órgão de comunicação social (Maria do Céu Neves).

Quando questionados sobre o que os levou a concor rer ao prémio, todos os inquiridos apontam as mesmas razões: para que o seu trabalho seja valorizado e reco nhecido, junto do público e também pelos pares, até porque como Sandra Nobre atenta “o nosso trabalho é muito efémero". No fundo, é a forma que encontram para dar visibilidade ao seu trabalho e aos próprios temas, que consideram importantes e pouco aborda dos. Paulo Moura refere ainda o facto de existirem, atualmente, poucos incentivos dados aos jornalistas, devido à crise da imprensa, sendo os prémios de jor nalismo dos poucos incentivos existentes.

AS REPORTAGENS VENCEDORAS DO PRÉMIO

A análise do prémio ‘Direitos Humanos & Integra ção Social’, na categoria de imprensa escrita, permitiu aferir alguns aspetos pertinentes. Ao longo das dife rentes edições é de notar que existem mais mulheres a receber o prémio (75%) do que homens, e que os jor nalistas premiados trabalham para jornais ou revistas de referência em Portugal, nomeadamente, para o DN, o Público e a Visão. O DN é o órgão de comunicação que mais acolhe as reportagens distinguidas, sendo que o único premiado a alcançar a distinção por duas vezes consecutivas foi a jornalista Maria do Céu Neves, que trabalha neste jornal. As suas peças premiadas abordam a temática da imigração, uma vez que a jornalista se dedica especialmente ao assunto. As secções noticiosas que acolhem os artigos distinguidos, e outros trabalhos sobre direitos humanos e integração social, são a secção ‘Sociedade’ e a ‘Grande Reportagem’, dado constituí rem notícias de maior dimensão, como as reportagens vencedoras que variam entre as quatro e as 34 páginas.

Os direitos humanos e a integração social são con ceitos bastante vastos e, como tal, importa compreen der quais as matérias específicas que os integram e que recolhem atenção por parte dos media. Os trabalhos distinguidos pelo prémio em análise tratam essencial mente da violação dos direitos humanos e de mino rias que sofrem de exclusão social. Estando os artigos numerados na figura acima, os diversos textos serão identificados, a partir de agora, pelo número que lhes foi atribuído. O assunto mais destacado é a migração, com três reportagens (1, 2 e 6) seguido de conteúdos referen tes à integração dos indivíduos portadores de deficiên cia, transexuais e ex-reclusos (3, 5 e 8). Depois, existem também uma peça noticiosa sobre a pobreza (4) e outra alusiva a questões sociais e ambientais da China (7).

Tabula 1: Dados gerais das reportagens vencedoras 

Fonte: Elaboração própria.

A integração social tem em vista aqueles que são reco nhecidos como os dois principais direitos do Homem, que são a liberdade e a igualdade, presentes na Decla ração Universal dos Direitos do Homem nos artigos: 1.° “Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos”, 2.° “Todos os seres humanos podem invocar os direitos e as liberdades proclamados na presente Declaração, sem distinção alguma, nomea damente de raça, de cor, de sexo, (...) ou de qualquer outra situação” e 7.° “Todos têm direito a proteção igual contra qualquer discriminação (...) ”. Assim, no con junto de trabalhos premiados encontra-se uma peça sobre uma companhia de dança que inclui bailarinos com limitações físicas e mentais, contribuindo para a sua integração na sociedade (3); uma reportagem que dá conta do processo médico de mudança de sexo, exi gente e prolongado, com testemunhos de transexuais (5) e, por fim, um trabalho que trata a dificuldade de reinserção dos ex-reclusos na sociedade e a carência de pro gramas que ajudem nesse aspeto (8). Essencialmente, estas três peças dão a conhecer pessoas portadoras de deficiência, transexuais e ex-reclusos tendo em vista o combate ao preconceito sobre elas existente, e aler tando para o que está a ser feito para a sua integração social e o que falta fazer.

Outro direito estabelecido pela Declaração é a livre circulação - artigo 13.° “1. Toda a pessoa tem o direito de livremente circular e escolher a sua resi dência no interior de um Estado”. Assim, dois dos trabalhos distinguidos são sobre a comunidade imi grante em Portugal e outro sobre os emigrantes na Holanda. Tanto a jornalista Susana Moreira Marques como Maria do Céu Neves apresentam as principais nacionalidades imigrantes residentes nos países, os estereótipos que sofrem e as dificuldades com que se deparam em termos de integração no país de aco lhimento (1, 2, 6).

No seu segundo trabalho premiado, Maria do Céu Neves trata sobretudo das questões relacionadas com a mão-de-obra emigrante portuguesa, nomeadamente, com a violação de inúmeros direitos humanos rela cionados com o trabalho, decretados na Declaração Universal dos Direitos do Homem. O título da repor tagem ‘Portugueses alimentam nova escravatura na Europa’ apresenta, de imediato, a infração ao artigo 4.° “Ninguém será mantido em escravatura ou em servi dão; a escravatura e o trato dos escravos, sob todas as formas, são proibidos”, ideia que a jornalista reforça logo no início do primeiro parágrafo “Os portugue ses e os polacos são os novos escravos da Holanda. Há também turcos, mas estes protegem-se mais. A classificação só pode parecer excessiva a quem não viveu nas condições destes emigrantes” (2). A jorna lista dá conta da dureza do trabalho temporário na Holanda, “mais de dez horas em pé num espaço de 50 cm de uma fábrica, e de madrugada numa estufa com um calor insuportável” e da privação de proteção contra acidentes de trabalho pois no caso de um emi grante português que fez um corte sério numa estufa, a empresa não o levou ao hospital e não lhe pagou o tratamento. Esta situação é contrária ao artigo 23.° “1. Toda a pessoa tem direito ao trabalho, à livre escolha do trabalho, a condições equitativas e satisfatórias de trabalho (...)”. Adicionalmente, os emigrantes rece bem salários muito baixos, no país de acolhimento, e chegam até a passar fome, o que desrespeita o ponto 3. do mesmo artigo “Quem trabalha tem direito a uma remuneração equitativa e satisfatória, que lhe per mita e à sua família uma existência conforme com a dignidade humana (...) “. Por fim, também o artigo 24.° “Toda a pessoa tem direito (...) a uma limitação razoável da duração do trabalho” não se verifica visto que, no caso investigado pela jornalista do DN, os tra balhadores não podiam descansar nem ir à casa de banho fora das pausas e tinham de estar disponíveis 24 horas por dia, inclusive ao fim de-semana.

Estes indivíduos assinaram contratos de trabalho em outras línguas, sem saberem quais as condições assegu radas: “somos como os touros que vão para os matadou ros (...) não sabem para o que vão. Nós também não”, explica um dos emigrantes (3). O desconhecimento, a falta de meios financeiros e o isolamento propiciam todas as violações de direitos patentes.

Já a reportagem sobre a fome (5) relaciona-se com a violação do princípio “1. Toda a pessoa tem direito a um nível de vida suficiente para lhe assegurar e à sua família a saúde e o bemestar, principalmente quanto à alimentação.” (Artigo 25.°), quando o entrevis tado Ricardo Rodrigues refere que o Governo parou de ceder leite aos recém-nascidos de famílias carenciadas. Finalmente, o trabalho de investigação sobre a China (7) com “todo o indivíduo tem direito à vida, à liber dade e à segurança pessoal” (Artigo 3.°) e “ninguém será submetido a tortura nem a penas ou tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes” (Artigo 5.°).

Tabula 2: Temáticas abordadas nas reportagens vencedoras 

Fonte: Elaboração própria.

A UTILIZAÇÃO DO JORNALISMO LITERÁRIO NAS REPORTAGENS VENCEDORAS

O jornalismo literário é um “nicho especial do jor nalismo” (Trindade, News that Last. Quatro momen tos de Jornalismo Literário Americano [News that Last. Four Moments of American Literary Journalism], 2006, p. 14) que transpõe técnicas e procedimentos da nar rativa literária para a redação de notícias, esbatendo as barreiras entre o Jornalismo e a Literatura. Todos os entrevistados partilham a opinião de que o jorna lismo literário pode ser a solução para a atual crise jornalística, que afeta sobretudo a imprensa. Hoje em dia, qualquer indivíduo transmite informação, através da Internet e das redes sociais, pelo que a destrinça entre o indivíduo comum e o jornalista, ou um meio de comunicação e outro, será feita pela capacidade de seleção da informação que realmente importa e de noti ciar o facto de forma original, utilizando uma escrita atraente que prenda a atenção do leitor (Paulo Moura). Por exemplo, a reportagem distinguida em 2009 trata o tema da deficiência de um novo ângulo visto que a jornalista freelancer Sandra Nobre acompanha a com panhia “Dançando pela Diferença”, na qual os baila rinos com limitações estão sujeitos à mesma exigência que os restantes bailarinos. O coreógrafo Henrique Amoedo faz questão de não os tratar como diferentes, porque está a prepará-los para o mundo em redor e para a crueldade existente.

A crise da imprensa traduz-se, entre outros aspetos, na diminuição de recursos humanos e materiais, ou seja, não existem meios suficientes para investigar e mergu lhar nos temas, havendo cada vez mais a necessidade de cumprir tarefas múltiplas, por exemplo trabalhar na versão imprensa e online do órgão de comunica ção, como referiu Maria do Céu Neves. Desta forma, desesperados por obter lucro, os jornais começaram a dedicar-se às “soft news”, ou seja, notícias curtas e ime diatas, de entretenimento, em detrimento de reporta gens mais extensas sobre temas complexos, que exigem maior disponibilidade e investimento. Porém, como refere Paulo Moura, nos jornais online verifica-se que são os textos mais longos que acolhem maior feedback, o que veio provar que os indivíduos estão dispostos a ler textos densos desde que sejam bem escritos e ape lativos. Os premiados acreditam assim que a salvação do jornalismo reside em transmitir a informação con tando boas histórias, através de géneros de jornalismo, como o literário, capaz de despertar a emoção no leitor, transmitindo a mensagem de forma mais eficaz (entre vistados Sandra Nobre, Ricardo Rodrigues e Sara Sá).

Essencialmente, os aspetos mencionados pelos jor nalistas vencedores do prémio como sendo caracte rísticas intrínsecas do jornalismo literário foram: a profundidade, ou seja, maior investigação no terreno, observar diretamente e vivenciar os acontecimen tos de forma a fazer um retrato fidedigno dos factos; escrita densa e elaborada, o diálogo, recurso a figu ras de estilo, maior narrativa de pormenores, entre outros. De forma a aferir as especificidades do jorna lismo literário, presentes nos trabalhos premiados, procedeu-se à elaboração de grelhas de análise do conteúdo que permitem evidenciar as suas principais características, nomeadamente, marcas de 1a pessoa, utilização de recursos estilísticos e figuras de estilo, e momentos de descrição/caracterização de situações, espaços e personagens. As reportagens distinguidas pelo prémio são, na sua maioria, peças extensas e de investigação pelo que o jornalista torna-se uma das principais personagens, descrevendo os acontecimen tos na 1.a pessoa - narrador participante. Em cinco do total de oito reportagens analisadas, o jornalista uti liza, em discurso direto, elocuções de personagens. As reportagens onde esta situação ocorre com maior frequência são: ‘Portugueses alimentam nova escra vatura na Europa’, onde a jornalista assumiu o papel de emigrante, na Holanda; ‘Os Novos Portugueses’ na qual Susana Moreira Marques entrevista indivíduos das principais nacionalidades imigrantes em Portu gal e aproxima-se do leitor ao utilizar elocuções como “somos”, “gostamos”, “redescobrimos” e “esperamos”, transportando o leitor para dentro da história e, por fim, a peça ‘A revolução virá do campo’, onde Paulo Moura conta em primeira mão a aventura da sua via gem à China. No trabalho de Ricardo Rodrigues, ape sar de o jornalista assumir o papel de narrador não participante, no próprio título e na reflexão final da reportagem encontram-se, em discurso direto, elocu ções de personagens que remetem para o jornalista e para o próprio leitor. O jornalista do DN explica que a ideia do tema ‘fome’ lhe surgiu quando encontrou um amigo seu, da escola primária, na sopa dos pobres. Ele tinha tirado um curso, trabalhava e ainda assim estava ali sem dinheiro para comer. Assim, a reportagem ter mina da seguinte forma: “E é então que, no meio da multidão, se descobre uma memória do passado. O tipo com quem jogávamos à bola em miúdos, um colega da escola, um vizinho do lado. Um ser familiar e mudo, que se tornou invisível, que chegou ao fim da linha. E esse é o momento da bofetada. Alguém que conhe cemos passa fome. E nem sequer tínhamos reparado”.

DISCUSSÃO DE RESULTADOS

Na opinião dos jornalistas distinguidos pelo Pre mio “Direitos Humanos & Integração”, na categoria de imprensa escrita, o jornalismo literário pode atrair os leitores para qualquer temática, especialmente para assuntos relativos aos direitos humanos e à integra ção social que, por constituírem casos mais sensíveis e humanos, exigem “uma abordagem mais complexa, minuciosa e apelativa” (Isabel Nery). Os profissionais revelam-se grandes defensores do género, apontando -lhe apenas vantagens e considerando-o a salvação do jornalismo. Assim, o jornalismo literário pode prender a atençao dos leitores para temas relativos aos direitos humanos e à integração, através da maior investigação no terreno, da utilização de recursos estilísticos e figuras de estilo, de momentos ricos em descrição/caracterização, no fundo o contar uma história. Na referida entrevista em 2013 ao jornal Público, a premiada Susana Moreira Marques tinha acrescentado: “a vontade de “fazer tex tos que são duradouros e universais’” (Pinto, 2013).

Paulo Moura faz uma reflexão sobre as principais diferenças entre a literatura e o jornalismo conside rando que na literatura o leitor encontra histórias bem construídas e interessantes, com personagens multidi mensional, que prendem a atenção até ao fim e servem de exercício de reflexão sobre a condição humana. Por sua vez, o jornalismo exibe uma linguagem simples e bãsica e não dá a conhecer as personagens em todas as suas dimensões. Em suma, a escrita de ficção é sofisti cada e atraente enquanto para a descrição da realidade, no jornalismo, recorre-se a uma escrita menos inteli gente e previsível. O jornalista do Público discorda com base no pressuposto de que a realidade é mais complexa do que a ficção, pelo que a escrita jornalística também deveria ser mais completa e humana apelando à emo ção que, tal como a objetividade, é parte integrante do jornalismo, enquanto descritor da realidade. Se na vida real os indivíduos têm emoções e sentimentos, há que retratá-los (Wahl-Jorgensen, 2013). Isso não significa falta de objetividade pois o jornalista continua a trans mitir os factos com rigor, nomeadamente, pode descre ver o sentimento que a personagem fez transparecer em determinada situação. Por exemplo, na reportagem ‘O caminho para a liberdade’ encontra-se a seguinte passagem: “virada para o fim do mundo, não consegue evitar as lágrimas” que relata o momento em que Jesufina, ex-reclusa, sai da prisão e vê o mar pela primeira vez há muito tempo. O facto de ela chorar explicita o quanto aquele momento é importante para si, nostál gico e feliz por sentir-se livre.

Quanto à questão da perda de objetividade prevista com a prática do jornalismo literário, os jornalistas distinguidos manifestam a preocupação de se manter fiéis aos fatos. O jornalismo literário é escrito como um romance mas não pode inventar realidades (Isabel Nery). Os profissionais mostram-se cientes da importância do rigor da informação para a criação de uma opinião pública esclarecida, um dos principais objetivos do jor nalismo (Ricardo Rodrigues), tendo o cuidado de não se envolverem demasiado nos assuntos que abordam. Os vencedores do prémio utilizam, por várias ocasiões, o discurso direto e algumas das reportagens integram entrevistas, como é o caso de ‘Os Novos Portugueses’ e ‘Portugueses alimentam nova escravatura na Europa’. Desta forma, evidencia-se o cuidado dos jornalistas em dar provas dos factos noticiados, como defende (Wahl-Jorgensen, 2013), que vê o uso de citações das fontes como elemento de prova da verificação dos factos, do cumprimento da objetividade jornalística.

Assim como John Pauly (Pauly, 2011), também os profissionais vêm o jornalismo literário como a forma através da qual se noticiam os factos como histórias. Os entrevistados, especialmente Maria do Céu Neves e Ricardo Rodrigues, concordam com Gillespie (2012) a respeito da proximidade do jornalismo literário à etnografia, visto que “o dar cor e a vivência” são fun damentais para atrair o leitor e só são possíveis através do “mergulho profundo no terreno”, ou seja, com uma intensa investigação de campo. A observação direta e participante do jornalista é necessária, e recomendada, para o enriquecimento dos textos jornalísticos - “nós temos que sair, temos que observar para explicar como é que as coisas se passam” (Maria do Céu Neves).

Segundo Cramer e McDevitt (2004), o jornalismo literário veio dar voz às minorias, aos invisíveis, o que responde à missão do jornalismo de “dar visibilidade aos sem poder” (Isabel Nery) e vai de encontro à ideia da “invisibilidade visível” de Ricardo Rodrigues, de que existem certos temas que estão à vista de todos mas que ninguém repara neles, que não recebem atenção por parte da Comunicação Social. O jornalismo lite rário é utilizado sobretudo na representação das cul turas, situação verificada nas reportagens analisadas, até porque os crescentes movimentos migratórios obri gam à maior compreensão das diversas culturas. Esta questão é importante na medida em que, como refere Sandra Nobre, ainda existe muito preconceito: “temos que continuar a insistir nestes temas sociais porque os problemas existem, as pessoas são preconceituosas, não querem ver determinadas realidades”.

Importa referir que, apesar dos jornalistas premiados conhecerem o jornalismo literário, sabendo defini-lo e caracteriza-lo, uma das jornalistas, Maria do Céu Neves, nunca ouvira a expressão que lhe remeteu para algo erudito, oposto ao jornalismo convencional, como a crónica, e acabou por considera-lo sinónimo da repor tagem. Também os membros entrevistados do GMCS desconheciam o género. O jornalista do Público, Paulo Moura, adverte para o facto de não interessar qual a designação atribuída à técnica mas sim em apostar nela, na técnica escrita enquanto arte.

Os jornalistas premiados trabalham, geralmente, os temas dos direitos humanos e da integração social pelas mais diversas razões (ex. identificação, forma ção, sentido de dever) porém todos eles, e o próprio GMCS, apontam que os prémios de jornalismo que incidem sobre direitos humanos e integração social constituem fortes impulsionadores ao tratamento noticioso destas temáticas. Isto não significa que os jornalistas trabalhem apenas para os prémios, mas sendo confrontados com distinções alusivas a assun tos sobre direitos humanos e integração existe maior probabilidade de produzirem trabalhos sobre isso por que os prémios recordam-lhes a existência e impor tância desses temas, não só aos profissionais como ao público em geral.

Os inquiridos declaram ser difícil avaliar os efei tos do seu trabalho, quer nos visados quer na opinião pública - “nunca sabemos o efeito real do nosso traba lho” (Isabel Nery), mas, de um modo geral, os jornalis tas acreditam que as reportagens premiadas têm uma função social e alguns resultados. Os efeitos são espe cialmente difíceis de medir em trabalhos que abordam questões internacionais, como o caso de Paulo Moura com a reportagem sobre a China; Sandra Nobre refere que o meio onde as peças são difundidas tem influên cia pois, se for na televisão, por exemplo, chega a um maior número de pessoas. No entanto, os jornalistas sabem se o seu trabalho teve muita ou pouca leitura, através das vendas do jornal ou das visualizações na Internet, e dois dos entrevistados informam de efeitos reais do seu trabalho: Ricardo Rodrigues afirma que o debate sobre as dificuldades da classe média e a fome entraram no discurso público, que todos os visados foram de alguma forma auxiliados e que, após a repor tagem, o Governo repôs a ajuda do leite materno. Por sua vez, Isabel Nery constatou que a sua peça, sobre a reinserção de ex-reclusos, foi importante para que a protagonista percebesse que tem direitos, e Jesufina conseguiu até legalizar-se.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Nestas considerações finais, será fundamental enca rar o corpus estudado, enquanto pertencente a um género jornalístico - o jornalismo literário; enquanto composto por artigos galardoados com um prémio que pretende focar a atenção das audiências para questões prementes do momento actual - direitos humanos e integração; e nas potencialidades de impacto societal deste género do jornalismo em particular.

O jornalismo literário parece ter conquistado um lugar de destaque, sendo objecto de apreciação, tradu zida em prémios, e de estudo académico. Este género jornalístico veio humanizar a informação, aproximan do-se do leitor por intermédio de uma linguagem mais trabalhada, ainda que objetiva. Obedecendo sempre a princípios de todo o jornalismo, como a fiabilidade dos fatos que reporta, pretende ultrapassar a dimen são do imediatismo e produzir textos que se mantêm notícia, como referido pelos autores da colecção The Art of Fact, Kevin Kerrane e Ben Yagoda, que referem que jornalismo literário tem o intuito de “making facts dance” (Kerrane & Yagoda, 1998, p. 17).

Assim, é ideal para a abordagem de qualquer temática, sobretudo de assuntos relativos aos direitos humanos e à integração social, intimamente relacionados com os tópicos da e/imigração. Relembrando os escritos de Manuel Chaparro (1999), por exemplo, apura-se que este género jornalístico tem potencialidades reorga nizativas e transformadoras da experiência social dos seus leitores, pois investiga e fundamenta a sua produ ção, frequentemente acerca de tópicos inexplorados ou menorizados por outros tipos de escrita. A atribuição de prémios incentiva as publicações e os autores ao inves timento num género jornalístico que, por um lado não entra na corrida pelo imediatismo e, por isso mesmo, tem um processo de escrita moroso e mais dispendioso.

Foi também possível compreender que os prémios de jornalismo não vêm apenas dar visibilidade ao pro fissional mas também aos próprios temas, servindo de estímulo ao seu tratamento noticioso. Desta forma, é importante continuar a apostar em iniciativas de mérito. Em Portugal, foram atribuídos prémios jorna lísticos sobre direitos humanos nos últimos anos mas, de momento, o destino deste prémio é incerto. Con tudo, a continuação do interesse dos jornalistas por um género, que utiliza pesquisa, aborda e divulga assuntos que não estão no topo da agenda mediática e que pro picia pensamento sem viés antecipado, poderá augurar caminhos futuros de interesse para o jornalismo que se sente ameaçado no mundo atual.

REFERENCIAS

Aristóteles. (2005). Aristóteles. Retórica. (Aristotle. Rhetoric). (M. A. Júnior, P. F. Alberto, & A. d. Pena, Trads.) Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda. [ Links ]

Arnold, M. (1987, June 14). The Nineteenth Century. Retrieved from Attacking the Devil: http://www.attackingthedevil.co.uk/related/easter.php. [ Links ]

Berning, N. (2011). Toward a Critical Ethical Narratology for Literary Reportages: Analyzing the Story Ethics of Alexandra Fuller’s Scribbling the Cat. Interferences litte’raires/Literaire Interferenties, 7, 189 -221. Retrieved from http://interferenceslitteraires.be/sites/drupal.arts.kuleuven.be.interferences/files/illi7noraberning.pdf. [ Links ]

Boynton, R. (2005). The New New Journalism: conversations with America’s best nonfiction writers on their craft. New York: Vintage Books. [ Links ]

Chaparro, M. C. (1999, October). O Acontecimento como Discurso. (Event as Discourse). Comunicação e Sociedade 2, 14(1-2), 295-304. https://doi.org/10.17231/comsoc.2(2000).1402. [ Links ]

Coelho, S. O. (2014, Nov. 15). “A Sangue Frio” ou um romance viral? Crime que inspirou a obra maior de Truman Capote faz 55 anos. (“In Cold Blood” or viral romance? The crime that inspired Truman Capote’s work turns 55 years old). Retrieved from Observador: http://observador.pt/2014/11/15/reportagem-sangue-frio-ou-um-romance-viral-hoje-faz-55-anos-sobre-obra-maior-de-truman-capote/. [ Links ]

Connery, T. B. (1992). A Sourcebook of American Literary Journalism. Representative Writers in an Emerging Genre. New York: Greenwood Press. [ Links ]

Cramer, J., & McDevitt, M. (2004). Ethnographic Journalism. In S. Iorio, Qualitative Research in Journalism: Taking it to the Streets (pp. 127-144). Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum. [ Links ]

Gillespie, B. (2012). Building bridges between literary journalism and alternative ethnographic forms: opportunities and challenges. Literary Journalism Studies, 4(2), 67-80. Retrieved from http://www.ialjs.org/wp-content/uploads/2013/01/067-80-Buildingbridges.pdf. [ Links ]

Hartsock, J. (2007). “It was a dark and stormy night”. Newspaper reporters rediscover the art of narrative literary journalism and their own epistemological heritage. Prose Studies: History, Theory, Criticism, 29(2), 257-284. https://doi.org/10.1080/01440350701432853. [ Links ]

Hartsock, J. C. (2000). A History of American Literary Journalism. The Emergence of a Modern Narrative Form. Amherst, MA: University of Massachusetts Press. [ Links ]

Helliker, K. (2013, Feb. 8). Capote Classic ‘In Cold Blood’ Tainted by Long-Lost Files. Retrieved from The Wall Street Journal: http://www.wsj.com/articles/SB10001424127887323951904578290341604113984. [ Links ]

Keeble, R. & Tulloch, J. (eds.). (2012). Global Literary Journalism. Exploring the Journalistic Imagination, Vol. 1. New York: Peter Lang Publishers. [ Links ]

Keeble, R. & Tulloch, J. (eds.). (2014). Global Literary Journalism. Exploring the Journalistic Imagination. Vol. 2. New York: Peter Lang Publishers. [ Links ]

Kerrane, K. & Yagoda, B. (1998). The Art of Fact. A Historical Anthology of Literary Journalism. New York: Touchstone Books. [ Links ]

Marques, S. M. (2011, May 16). Os novos portugueses I. E quão livres são os imigrantes?. (The new Portuguese I. And how free are the immigrants?). Retrieved from GMCS: http://www.gmcs.pt/_gmcs2008/download.php?dir=177.688&file=novos_portugueses.pdf. [ Links ]

Morton, L. (2014). Not my people. The epistemological complexities of knowing and representing other cultures in literary journalism. Journalism Studies, 15(6), 774-788. https://doi.org/10.1080/1461670X.2013.857481. [ Links ]

Moura, P. (2012, Nov. 4). A revolução virá do campo. (Revolution will start in the country). Retrieved from GMCS: http://www.gmcs.pt/ficheiros/pt/a-revolucao-vira-do-campo.pdf. [ Links ]

Nery, I. (2013, April 25). O caminho para a liberdade. (The road to freedom). Retrieved from GMCS: http://www.gmcs.pt/ficheiros/pt/o-caminho-para-a-liberdade.pdf. [ Links ]

Neves, M. d. (2006, Nov. 18, 19, 20, 21, 22, 23). Vida de Imigrante. (Immigrant’s life). Retrieved from Diário de Notícias: http://www.dn.pt/Inicio/interior.aspx?content_id=648934. [ Links ]

Neves, M. d. (2007, June 10). Portugueses alimentam nova escravatura na Europa. (The Portuguese supply new slavery in Europe). Retrieved from Diário de Notícias: http://www.dn.pt/Inicio/interior.aspx?content_id=659079. [ Links ]

Nobre, S. (2008, Nov. 29). Corpos Imperfeitos. (Imperfect bodies). Retrieved from Prémio de Jornalismo Direitos Humanos & Integração - Premiados e Nomeados 2009: http://www.gmcs.pt/pt/direitos- humanos-integracao-2009. [ Links ]

Pauly, J. (2011). Literary Journalism and the Drama of Civic Life: Keynote address, IALJS, Brussels, Belgium May 13, 2011. Literary Journalism Studies, 3(2), 73-82. Retrieved from http://epublications.marquette.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=1117&context=comm_fac. [ Links ]

Pinto, M. C. (2013, January 30). A vida emcontra-correntede uma escritora ejornalistafreelancer”. (The counter-current life of a freelancer writer and journalist). Retrieved from Público: http://p3.publico.pt/cultura/livros/6435/vida-em-contra-corrente-de-uma-escritora-e-jornalista-freelancer. [ Links ]

Rodrigues, R. (2009, January 18). Pobres como nós. (Poor people like us). Retrieved from GMCS: http://www.gmcs.pt/_gmcs2008/download.php?dir=167.655&file=pobres_como_nos.pdf. [ Links ]

Rolland, A. (2006). Commercial News Criteria and Investigative Journalism. Journalism Studies, 7(6), 940-963. https://doi.org/10.1080/14616700600980710. [ Links ]

Sá, S. (2010, June 17). O meu corpo não é o meu sexo. (My body is not my sex). Retrieved from GMCS: http://www.gmcs.pt/_gmcs2008/download.php?dir=165.650&file=o_meu_corpo_nao_e_o_meu_sexo.pdf. [ Links ]

Santos, I. (2007). O Império do Outro. (The Empire of the Other). Lisboa: Universidade Nova de Lisboa. [ Links ]

Sims, N., & Kramer, M. e. (1995). Literary Journalism. A New Collection of the Best American Nonfiction. New York: Ballantine Books. [ Links ]

Trindade, A. (2006). News that Last. Quatro momentos de Jornalismo Literário Americano. (News that Last. Four Moments of American Literary Journalism). Lisboa: Universidade Aberta. [ Links ]

Trindade, A. (2012). Lush Words in the Drought: The Literary Journalism of Pedro Cardoso. In R. Keeble & J. Tullock (eds.), Global Literary Journalism. Exploring the Journalistic Imagination, Vol. 1. (pp. 287 -298). New York: Peter Lang Publishers. [ Links ]

Trindade, A. (2016, Oct.). Angola - território e identidade.Crónicas de Luís Fernando. (Angola - Territory and identity. Luis Fernando’s chronicles). Revista FAMECOS. Mídia, Cultura e Tecnologia, 23(n. supl.). https://doi.org/10.15448/1980-3729.2016.s.24636. [ Links ]

Tuchman, G. (1972). Objectivity as Strategic Ritual: An Examination of Newsmen’s Notions of Objectivity. American Journal of Sociology, 77(4), 660-679. https://doi.org/10.1086/225193. [ Links ]

Wahl-Jorgensen, K. (2013). The strategic ritual of emotionality: A case study of Pulitzer Prize-winning articles. Journalism, 14(1), 129-145. https://doi.org/10.1177/1464884912448918. [ Links ]

Wolfe, T., & Johnson, E. e. (1973). The New Journalism. New York: Harper & Row. [ Links ]

1Ver a cronologia de atribuição em: http://www.gmcs.pt/pt/direitos-humanos-tolerancia-e-luta-contra-a-discriminacao-na-comunicacao-social-2006 (último acesso em 13 de Março de 2017).

2Informação adicional sobre o historial do prémio está disponível no endereço http://www.gmcs.pt/pt/direitos-humanos-tolerancia-e-luta-contra-a-discriminacao-na-comunicacao-social-2006 (acedido em 30 de Julho de 2015).

Recebido: 18 de Agosto de 2015; Aceito: 09 de Março de 2017

Alice Trindade é Professora Associada do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Doutorada em Estudos Americanos, desenvolve pesquisa sobre jornalismo literário, traduzida em publicações internacionais. Foi membro fundador, e Presidente da International Association for Literary Journalism Studies entre 2010-2012. Dedica-se neste momento ao estudo do jornalismo literário no espaço CPLP.

Rita Inácio frequenta o Mestrado em Comunicação enquanto experimenta os primeiros passos em carreira jornalística, tendo como última experiência o jornal online português Observador. Entre o estudo, um blog e a aquisição de experiência profissional procura desenvolver o talento que a fará conhecida.

Creative Commons License Este é um artigo publicado em acesso aberto sob uma licença Creative Commons