SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.63 número1-2-3-4Enteroparasites and commensals among individuals living in rural and urban areas in Abadia dos Dourados, Minas Gerais state, BrazilFrequency of seropositive equines for Theileria equi in the Southern Rio Grande do Sul State, Brazil índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Parasitología latinoamericana

versão On-line ISSN 0717-7712

Parasitol. latinoam. v.63 n.1-2-3-4 Santiago dez. 2008

http://dx.doi.org/10.4067/S0717-77122008000100007 

Parasitol Latinoam 63: 40 -45, 2008 FLAP

ARTICULO ORIGINAL

Observação in vitro da ação dos fungos nematòfagos Duddingtonia flagrans, Monacrosporium thaumasium e Pochonia chlamydosporia sobre ovos de Eurytrema coelomaticum

IN VITRO EVALUATION OF THE ACTION OF THE NEMATOPHAGOUS FUNGI Duddingtonia flagrans, Monacrosporium thaumasium AND Pochonia chlamydosporia ON Eurytrema coelomaticum EGGS

 

FÁBIO RIBEIRO BRAGA*, JACKSON VICTOR DE ARAÚJO*a1, ROGÉRIO OLIVA CARVALHO*. ANDRÉ R. SILVA*, JULIANA MILANI ARAUJO* e ALEXANDRE OLIVEIRA TAVELA*

* Departamento de Medicina Veterinaria, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa-MG, CEP: 36570-000.
a Pesquisador do CNPq.

Correspondência a :


RESUMO

Objetivou-se a observação in vitro da ação dos fungos nematófagos Duddingtonia flagrans (AC001),Monacrosporium thaumasium (NF 34) e Pochonia chlamydosporia (VC1 e VC4) sobre ovos de Eurytrema coelomaticum. Os ovos foram vertidos em superficie de ágar-água 2% contendo os isolados fúngicos e em AA 2% sem fungo como controle. Ao completaren! sete, 10 e 14 dias, aproximadamente os ovos foram removidos e classificados de acordó com os seguintes parámetros: efeito tipo 1, efeito lítico sem prejuízo morfológico a casca do ovo; tipo 2, efeito lítico com alteração morfológica da casca e embriáo e tipo 3, efeito lítico com alteração morfológica do embriáo e da casca, além de penetração de hifas e colonização interna do ovo. Os isolados AC001 e NF34 não demonstraran! percentuais para o efeito do tipo 3, contudo o isolado VC1 apresentou resultados percentuais para o efeito do tipo 3 que determinant a atividade ovicida de um fungo: 27,2% aos sete dias, 23,1% aos 10 dias e 25,0% aos 14 dias. Da mesma forma que isolado VC4 apresentou: 15,0% aos sete dias, 25,4% aos 10 dias e 21,8% aos 14 dias respectivamente. Pochonia chlamydosporia é um fungo promis sor que pôde ser usado no controle biológico de E. coelomaticum.


The present study assessed in vitro action of nematophagous fungi species Duddingtonia flagrans (AC 001), Monacrosporium thaumasium (NF 34) and Pochonia chlamydosporia (VC1 and VC4) on eggs of Eurytrema coelomaticum. Eggs were placed on Petri dishes with fungus isolate grown in water- agar 2% and in the control (no fungus). After seven, 10 and 14 days, the eggs were removed and classified according to the following parameters: type 1, lytic effect without morphological damage to eggshell; type 2, lytic effect with morphological alteration of embryo and eggshell; and type 3, lytic effect with morphological alteration of embryo and eggshell, besides hyphal penetration and internal egg colonization. The isolate AC001 andNF34 had not demonstrated percentages to type 3 effects, however isolated VC1 presented results percentages for the type 3 effect that it determines the ovicida activity of one fungus: 27.2% to the seven days, 23.1% to the 10 days and 25.0% to the 14 days. The isolated VC4 presented: 15.0% to the seven days, 25.4% to the 10 days and, 21.8%to the 14 days. P. chlamydosporia is a promising fungus can be used in the biological control of E. coelomaticum.

Key words: Nematophagous fungi, Duddingtonia flagrans, Monacrosporium thaumasium, Pochonia chlamydosporia, Eurytrema coelomaticum, biologic control.


 

INTRODUÇÃO

Trematódeos do gênero Eurytrema freqüen-temente são encontrados em páncreas de bovinos abatidos durante a realização da inspeção, e nos últimos anos essa prevaléncia tem aumentado significativamente1. Eurytrema pancreaticum e E. coelomaticum são parásitos que habitam normalmente na luz dos ductos pancreáticos, observados ocasionalmente nos ductos biliares e raramente no intestino delgado de ruminantes2. Segundo3 E. pancreaticum tem sido descrito em bovinos, caprinos, ovinos, bubalinos, suínos, camelídeos, cervídeos e em seres humanos, enquanto que a especie E. coelomaticum ocorre em bovinos, caprinos, ovinos, bubalinos, leporinos e camelideos.

No Brasil, apenas se reconhece a ocorréncia de E. coelomaticum, sendo relatado em bovinos, caprinos, ovinos e bubalinos2. O problema da euritrematose bovina está diretamente ligado ás perdas económicas quanto á produção de carne e leite, bem como á industria extrativa de insulina devido ás condenações de páncreas parasitados. Quanto ao seu controle, alguns pesquisadores comprovaram a ineficiéncia dos produtos antihelmínticos usados para combater a euritrematose em bovinos. Essa informação vem confirmar os resultados negativos que se obtêm quando se tenta tratar os animáis parasitados com os produtos disponíveis4.

Dessa forma tem se buscado medidas alternativas para o controle desta e de outras parasitoses, e o controle biológico das parasitoses gastrintestinais dos animáis domésticos realizado com fungos nematófagos aparece entáo como urna alternativa promissora e com resultados satisfatórios57. Dentre as varias vantagens do controle biológico com fungos nematófagos está o seu sinergismo com o controle químico, o que proporciona urna maior e a abrangente atuação sobre as formas infectantes presentes ñas fezes, bem como sobre os helmintos adultos que estáo parasitando o animal8,9. Esses fungos se comportam como antagonistas naturais promovendo a captura, a morte ou mesmo a destruição do parásito, e de acordó com a sua classificação são divididos em endoparasitas, predadores, oportunistas (parásitas de ovos e cistos). Desses o grupo dos predadores, grande maioria, e ovicidas tém sido estudados no controle biológico das helmintoses apresentando resultados promissores6,10,12,13.

No grupo dos fungos predadores destacam-se os gêneros; Arihrobotrys, Duddingtonia e Monacrosporium, devido a sua eficacia no controle ambiental de nematóides14. A especie D. flagrans, considerada a mais promissora devido á abundância de clamidósporos, é também a mais estudada no controle das helmintoses dos animáis domésticos, possui ação predatoria formando um tipo de armadilha que se caracteriza por um sistema de hifas adesivas simples, além disso, produz dois tipos de esporos - conidios e clamidósporos - intercalados por hifas maduras que no ambiente permitem seu uso como controlador biológico15. As especies do gênero Monacrosporium são caracterizadas por produzirem um único conidio em cada conidióforo e pela produção de redes adesivas, formando hifas septadas e ramificadas16,18.

Dentro do grupo dos fungos oportunistas destaca-se a especie Verticillium chlamydosporium, atualmente, denominada de Pochonia chlamy-dosporia devido a observações e análises filogenéticas das subunidades do RDNA, sendo urna especie formadora de clamidósporos19. O modo de ação desse fungo baseia-se na form ação de apressórios, desenvolvidos a partir de hifas indiferenciadas que permitem a colonização da superficie dos ovos e a penetração destes através da ação mecânica e enzimática11,20,21.

O presente trabalho procurou avahar a ação in vitro de isolados brasileiros de fungos nematófagos do gênero D. flagrans, M. thaumasium e P.chlamydosporia sobre ovos de E. coelomaticum.

MATERIAL E MÉTODOS

Organismos: Quatro isolados de fungos nematófagos, sendo um de D. flagrans, um de M. thaumasium e dois P. chlamydosporia foram mantidos em tubos de ensaio a 4o C contendo corn-meal-ágar 2% e no escuro durante 10 dias. Esses isolados foram obtidos de solo do Brasil, através da técnica de espalhamento do solo descrito por Duddington22 e modificada por Santos23.

Discos de cultura de 4 mm de diámetro foram extraídos de isolados fúngicos mantidos em tubos de ensaio contendo CMA 2% transferidos para placas de Petri de 9,0 cm de diámetro contendo 20 mi de batata-dextrose-ágar 2% mantidos a 25° C, no escuro durante 10 dias. Após o crescimento dos isolados novos discos de cultura de 4 mm de diámetro foram transferidos para placas de Petri de 9,0 cm diámetro contendo 20 mi de ágar-água 2% durante 10 dias.

Ovos de E. coelomaticum foram analisados morfológicamente quanto a sua integridade ao microscopio de luz, em objetiva de lOx. Esses ovos foram recuperados a partir da dissecação de exemplares adultos, colhidos de páncreas naturalmente infectados de bovinos abatidos para consumo humano.

Ensaio Experimental: Os ovos foram vertidos sobre a superficie de placas de Petri de 9,0 cm de diámetro contendo o meio AA 2% com os isolados fúngicos crescidos por 10 dias e sem fungo como controle, sendo feitas 10 repetições para cada grupo. Nos tratamentos, cada placa continha mil ovos de E. coelomaticum com apenas um dos isolados fúngicos e mil ovos sem os isolados fúngicos como controle. Nos intervalos de sete, 10 e 14 dias, aproximadamente cem ovos foram retirados de cada placa contendo o isolado e do controle de acordó com a técnica descrita por Araújo10 e, colocados em láminas de vidro com uma gota de azul de Amam 1%, sendo entao avaliados em microscopio de luz, objetiva de lOx, de acordó com os parámetros estabelecidos por Lysek2011: efeito do tipo 1, efeito lítico sem prejuízo morfológico a casca do ovo, onde hifas são observadas aderidas a casca; efeito do tipo 2, efeito lítico com alteração morfológica da casca e embrião do ovo, sem penetração de hifas através da casca e efeito do tipo 3, efeito lítico com alteração morfológica do embrião e da casca, além de penetração de hifas e colonização interna do ovo.

Os dados de cada intervalo estudado foram submetidos ao teste não paramétrico Friedman com 5% de probabilidade25.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Nas Tabelas 1, 2 e 3 estao apresentados os resultados percentuais dos diversos fungos sobre os ovos de E. coelomaticum aos sete, 10 e 14 dias de interação.




O fungo D. flagrans (AC001) apresentou efeito do tipo 1, com resultados percentuais de 54,5%; 58,6% e 61,8% sobre os ovos de E. coelomaticum nos intervalos de sete, 10 e 14 dias, respectivamente. Para os efeitos dos tipos 2 e 3 esse isolado não demonstrou atividade, sem prejuízo ao embrião20. Esses resultados percentuais são semelhantes aos registrados por Braga1213 que utilizaram tres isolados fúngicos e dentre eles D. flagrans sobre ovos de Ascaris lumbricoides apresentando percentuais de efeito do tipo 1 de 30%; 52,0% e 68% aos sete, 10 e 14 dias, respectivamente e, sobre ovos de Fasciola hepática com percentuais de efeito do tipo 1 de 60,1%, 62,3% e 66,5% aos sete, 14 e 21 dias, respectivamente.

O fungo M. thaumasium (NF34), demonstrou apenas o efeito do tipo 1 de 61,9 %, 62,7% e 69,0% nos intervalos de sete, 10 e 14 dias, respectivamente. Da mesma forma, sua ação sobre os ovos de A. lumbricoides nos intervalos de sete, 10 e 14 dias foi a mesma com apresentação de efeito do tipo 1 de 48,0%, 42,0% e 62,0%12.

Comparando a ação de AC001 e NF34 sobre os ovos de E. coelomaticum observou-se que não houve diferença significativa (p > 0,01) para o efeito tipo 1, demonstrando que ambos tiveram a mesma ação. Contudo o isolado NF34 apresentou maiores percentuais para o efeito do tipo 1 em todos os intervalos estudados em relação ao isolado AC001. Além disso, foi observado que a atividade dos isolados AC001 e NF34 para os efeitos dos tipos 1 e 2, equipararam-se, também aos resultados encontrados para os isolados de Artrohotrys robusta q A. conoides, utilizados por Araújo10 na ação sobre ovos de Toxocara canis.

No trabalho de Braga12, D. flagrans (AC001) e M. thaumasium (NF34) sobre ovos de A. lumbricoides não houve diferença (p > 0,01) nos percentuais dos efeitos 1, 2 e 3, e da mesma forma, no presente trabalho, relata-se apenas a ocorréncia do efeito do tipo 1 para esses isolados, sem contudo observar os efeitos dos tipos 2 e 3. Isso indica que esses fungos não apresentam atividade ovicida, que é considerada por Lysek11 quando o fungo apresenta efeito do tipo 3 sobre os ovos parasitados. Embora os fungos D. flagrans e M. thaumasium sejam reconhecidos como fungos predadores, proporcionando o controle apenas de larvas de helmintos818, o encontró de hifas de D. flagrans e M. thaumasium foram observadas apenas aderidas a casca do ovo, sem, contudo invadir o seu interior.

Os isolados VC1 e VC4, do fungo P. chlamydosporia, apresentaram atividade em todos os intervalos estudados para os efeitos dos tipos 1, 2 e 3. Segundo Lysek24 o que caracteriza a condição ovicida de um fungo é a apresentação do efeito tipo 3; efeito lítico com alteração morfológica do embrião e da casca e colonização interna do ovo e, no presente trabalho o isolado VC 1 demonstrou a partir da observação o efeito do tipo 3, com resultados de 27,2%, 23,1% e 25,0%, nos intervalos de sete, 10 e 14 dias respectivamente. Já o isolado VC 4 apresentou os percentuais para o efeito do tipo 3 de 15,0%, 25,4% e 21,8% nos mesmos intervalos. não foi observada diferença (p>0,01) entre VC1 e VC4 em relação aos efeitos estudados. Mas, o isolado VC1 apresentou percentuais para o efeito do tipo 3 maiores no sétimo e 14° dias em comparação com a ação de VC4. Por outro lado a ação do isolado VC 4 foi maior para os efeitos dos tipos l e 2 no sétimo, 10° e 14° dias em relação ao VC1. Essa informação é importante do ponto de vista de se testar apenas um dos isolados de P. chlamydsoporia já que ambos se comportaran! da mesma maneira sobre ovos de E. coelomaticum ao longo do ensaio experimental13.

A ação de P. chlamydosporia sobre ovos de A. lumbricoides foi maior quando comparada a D. flagrans (AC001) eM thaumasium (NF34) nos períodos de sete, 10 e 14 dias de interação, observando que VC1 e VC4 apresentaram resultados percentuais para o efeito do tipo 3 de 20% e 18%; 25% e 22%; 30% e 26% respectivamente, enquanto AC001 e SF53 não apresentaram esse tipo de efeito12. Da mesma, outros comprovaram que os isolados VC1 e VC4 também demonstraran! maior percentual de efeito do tipo 3 sobre ovos de A. suum que foram de 13,3% e 17,3%; 13,9% e 17,9%; 19,0% e 20,0% respectivamente, em comparação com AC001 e SF53 nos mesmos intervalos estudados e que apresentaram esse tipo de efeito26. No presente trabalho os resultados percentuais para o efeito do tipo 3 do fungo P. chlamydosporia foram maiores sobre os ovos de E. coelomaticum em relação ao efeito dos mesmos sobre os ovos de A. lumbricoides e A. suum. Esses resultados sugerem existir alguma diferença no processo de interação entre esse fungo e os diferentes tipos de ovos. Segundo outros investigadores, os ovos de A. lumbricoides e A. suum possuem cápsula espessa constituida de quitina e proteína, fato que não ocorre nos ovos de E. coelomaticum21,28. Essa informação demonstra que P. chlamydosporia possui ação enzimática e mecânica durante o processo de interação sobre ovos, e ovos desprovidos de cápsula espessa sofreriam maiores prejuízos quando em contato com o fungo.

Em outro trabalho13 avaliaram a ação de P. chlamydosporia sobre ovos de F. hepática nos intervalos de sete, 14 e 21 dias e comprovaram que esse fungo possui ação in vitro sobre ovos de trematodas.

Em relação ao fungo P. chlamydosporia sua ação pôde ser observada no presente trabalho, onde seu efeito do tipo 3, quando confrontado com os demais isolados demonstrou ser capaz de se manter durante os intervalos de sete, 10 e 14 dias.

Agradecimento: A CNPq pela concessão das bolsas.

REFERÊNCIAS

1.- AZEVEDO J R, MANNIGEL R C, AGULHON AZ, et al. Prevalence and geographical distribution of bovine eurytrematosis in cattle slaughtered in Northern Paraná. Brazilian. Pesq Vet Bras; 24: 23-6.        [ Links ]

2.- BASSANI C A, SANGIONI L A, SAUT J P E, et al. Epidemiology of eurytrematosis (Eurytrema spp. Trematoda: Dicrocoeliidae) in slaughtered beef cattle from the central-west region of the State of Paraná. Brazilian. Vet Parasitol 2006; 141: 356-61.        [ Links ]

3.- MATTOS IRDQ, VIANNA S S S. O Eurytrema coelomaticum Trematoda: Dicrocoelidae no Brasil. Arq F Med Vet 1987; 2: 3-7.        [ Links ]

4.- ARAÚJO JV, BELÉM PAD. Efeito anti-helmintico do albendazole sobre a contagem de ovos de Eurytrema sp (Trematoda) em fezes de bovinos. Arq Bras Med Vet Zootec 1993; 45: 111-4.        [ Links ]

5.- ARAÚJO J V, GOMES APS, GUIMARÁES M P. Biological control of bovine gastrointestinal nematode parasites in southeastern Brazil by the nematode-trapping fungus Arthrobotrys robusta. Rev Bras Parasitol Vet 1998; 7: 117-22.        [ Links ]

6.- ARAÚJO J V, MOTA M A, CAMPOS A K. Controle biológico de helmintos parásitos de animáis por fungos nematófagos. Rev Bras Parasitol Vet 2004a; 13: 165-70.        [ Links ]

7.- ARAÚJO JV, RODRIGUES MLA, SILVA WW, VIEIRA L S. Controle biológico de nematóides gastrintestinais de caprinos em clima semi-árido pelo fungo Monacrosporium thaumasium. Pesq Agrop Bras 2007; 42: 1177-81.        [ Links ]

8.- ARAÚJO J V, GUIMARÁES M P, CAMPOS A K. Control of bovine gastrointestinal nematodes parasites using pellets of the nematode trapping fungus Monacrosporium thaumasium. Ciénc Rural 2004b; 34: 457-63.        [ Links ]

9.- RIBEIRO R R. Atividade predatoria sobre larvas de Trichostrongilídeos de ¡solados fúngicos do gênero Monacrosporium após a passagem pelo trato gastrointestinal de bovinos. 2003. 44f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Vicosa, Vicosa, 2003.        [ Links ]

10.- ARAÚJO J V, SANTOS M A, FERRAZ S. Efeito ovicida de fungos nematófagos sobre ovos embrionados de Toxocara canis. Arq Bras Med Vet Zootec 1995; 47: 37-42.        [ Links ]

11.- LYSEK H. A scanning electron microscope study of the effects of ovicidal fungus on the eggs of Ascaris lumbricoides. Parasitol 1978; 77: 139-41.        [ Links ]

12.- BRAGA F R, ARAÚJO J V, CAMPOS A K, et al. Observação in vitro da ação dos ¡solados fúngicos Duddingtoniaflagrans, Monacrosporium thaumasium e Verticillium chlamydosporium sobre ovos de Ascaris lumbricoides (Lineu, 1758J. Rev Soc Bras Med Tropic 2007; 40: 356-8.        [ Links ]

13.- BRAGA F R, ARAUJO J V, CAMPOS A K, et al. In vitro evaluation of the action of the nematophagous fungi Duddingtonia flagrans, Monacrosporium sinense and Pochonia chlamydosporia on Fasciola hepática eggs. W J Microbiol Biotech 2008; 24: 1573-0972.        [ Links ]

14- DIMANDER SO, HÓGLUND J, UGGLA A, et al. Evaluation of gastro-intestinal nematode parasite control strategies for first-season grazing cattle in Sweden. Vet Parasitol 2003; 111: 192-209.        [ Links ]

15.- LARSEN M. Biological control of helminths. Int J Parasitol 1999; 29: 139-46.        [ Links ]

16.- MOTA M A, CAMPOS A K, ARAÚJO J V. Controle biológico de helmintos parásitos de animáis: estágio atual e perspectivas futuras. Pesq Vet Bras 2003; 23: 93-100.         [ Links ]

17.- ARAÚJO J V, SAMPAIO WM, VASCONCELLOS R S, CAMPOS A K. Effects of different temperatures and mineral salt on «pellets» of Monacrosporium thaumasium - a nematode-trapping fungus. Vet Arhiv 2000; 70: 181-90.         [ Links ]

18.- ARAÚJO JV, ASSIS RCL, CAMPOS AK, MOTAM A. Efeito antagónico de fungos predadores dos gêneros Monacrosporium, Arthrobotrys e Duddingtonia sobre larvas infectantes de Cooperia sp. e Oesophagostomum sp. Arq Bras Med Vet Zootec 2006; 58: 373-80.        [ Links ]

19.- GAMS W, ZARE R. A revision of Verticillium sect. Prostrata. III. Generic classification. Nova Hedwig 2001; 73: 329-37.         [ Links ]

20.- LYSEK H. Classification of ovicide fungi according to type of ovicidity. Acta Univ Palack Olomue 1976; 76: 9-13.         [ Links ]

21.- LYSEK H, STERBA J. Colonization of Ascaris lumbricoides eggs by the fungus Verticillium chlamydosporium Goddard. Folia Parasitol 1991; 38: 255-9.         [ Links ]

22.- DUDDINGTON C L. Notes on the thecnique of handling predaceous fungi. Transact British Mycol Soc 1955; 38: 97-103.         [ Links ]

23.- SANTOS MA, FERRAZ S, MUCHOVE J. Detection and ecology of nematophagous fungi from Brazilian Soils. Nematol Bras 1991; 15: 121-34.         [ Links ]

24.-LYSEK H, FASSATIOVÁ O, PINEDA N C, HERNÁNDEZ N L. Ovicidal fungi in soils of Cuba. Folia Parasitol 1982; 29: 265-70.         [ Links ]

25.- AYRES M,AYRES JRM,AYRES DL, SANTOS AS. Aplicações estatísticas ñas áreas de ciencias biológicas, Brasilia, 2003.         [ Links ]

26.- ARAÚJO J V, BRAGA F R, SILVA A R, et al. In vitro evaluation of the effect of the nematophagous fungi Duddingtonia flagrans, Monacrosporium sinense and Pochonia chlamydosporia on Ascaris suum eggs. Parasitol Res 2008; 102: 787-90.         [ Links ]

27.- SILVA AVM, MASSARA C L. Ascaris lumbricoides. In: Neves, D.P. Parasitología Humana. 11aEd., Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 2005. p.253-9.         [ Links ]

28.- BOWMAN D D, LYNN R C, EBERHARD M L, ALACARA Z. Helmintos. In: Bowman, D.D. Parasitología Veterinaria de Georgis. 8a Ed., Manóle, Rio de Janeiro, 2006. p. 115-30.        [ Links ]

Correspondência a: Fábio Ribeiro Braga
E-mail: fabioribeirobraga@hotmail.com.