SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.23 número1-2ENTEROPARASITOS EN NIÑOS RESIDENTES EN ZONA RURAL DEL PARTIDO DE CARMEN DE PATAGONES. PROVINCIA DE BUENOS AIRES. ARGENTINAALGUNOS HELMINTOS DE LA MARSOPA ESPINOSA, Phocoena spinipinnis DE LA RESERVA NACIONAL DE PARACAS, PERU. índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Parasitología al día

versión impresa ISSN 0716-0720

Parasitol. día v.23 n.1-2 Santiago ene. 1999

http://dx.doi.org/10.4067/S0716-07201999000100010 

COMUNICACION

FREQUÊNCIA DE MOSCAS (DIPTERA, CYCLORRAPHA)
DE IMPORTÂNCIA MÉDICO VETERINÁRIA NO
ZOOLÓGICO DA UNIVERSIDADE FEDERAL
DO MATO GROSSO, BRASIL, 1.

LUCIANO ANTUNES BARROS* y FRANZISKA HUBER**

*Professor Assistente II, Parasitologia Veterinária, FAMEV, UFMT
*Bolsista iniciação científica, CNPq, FAMEV, UFMT

FREQUENCE OF FLIES WITH VETERINARY IMPORTANCE AT THE ZOOLOGICAL
GARDEN OF THE FEDERAL UNIVERSITY OF MATO GROSSO (UFMT)/BRAZIL.

From january until december 1996 were used three Wind Oriented Traps (WOT) with different baits: banana, feces and fish. The traps have been installed in different places in the zoological garden. The inspection of the WOT was made at every 72 hours. The flies collected were classified, using the key proposed by James (1964). During the experiment period 3563 diptera have been captured, that is 90,18% (3213) classified as Calliphoridae, Muscidae and Sarcophagidae, and 9,82% (350) don´t classified. The WOT, who captured the major number of flies, was the one baited with fish. The genera Chrysomyia was prevalent over any other genera during all the year, with major number (852 specimens) captured in september. The genera Sarcophaga presented greater number captured in july (201 specimens) . From january until march Chrysomyia prefered the banana baited trap.
Key words: Calliphoridae, Muscidae, Sarcophagidae, Flies, Brazil.

INTRODUÇÃO

Cuiabá apresenta um clima do tipo continental tropical, apresentando dois periodos: chuvoso e seco. O periodo chuvoso inicia-se em fins de setembro estendendo-se até abril. O período seco comeca no mês de maio indo até agosto. No período chuvoso a temperatura chega a 38°C ou mais, principalmente nos primeiros meses, já no periodos seco a temperatura é mais suave.1

As condições climáticas apresentadas na região da grande Cuiabá, MT, são durante todos os meses do ano, favoráveis ao desenvolvimento do ciclo biológico de insetos. Especificamente no Zoológico da UFMT sco encontradas outras condições , que favorecem o aumento da população de moscas e, consequentemente, o aparecimento de problemas sanitários decorrentes da presença destes insetos.

A presença de muitos animais de espécies zoologicamente diferentes em um mesmo local, a exposição de alimento em recintos por um longo período de tempo e a produção de fezes de diferentes animais, fazem com que haja disponibilidade constante de substrato para o desenvolvimento destes dípteros.

Apesar de comprovada importância em saúde pública e em Medicina Veterinária, as moscas, são pouco estudadas como vetores de patógenos em população de animais silvestres.

Investigadores2 estudaram a flutuação da população de Cochliomyia hominivorax, no município de Salvador, BA, utilizando duas armadilhas orientadas pelo vento com isca de fígado deteriorado. Constatando maior incidência de espécimes entre novembro e março, período de menor índice pluviométrico. E menor incidência durante o período chuvoso.

Em observações de sazonalidade de dípetros sinantrópicos para o município de Pelotas, RS3, concluíram que o mês de abril foi o que apresentou maior incidência com 10.936 espécimes capturados, sendo a menor incidência observada no mês de janeiro com 806 espécimes capturados.

Outros autores4,5 registraram casos de miíases provocadas por larvas de C. hominivorax em diferentes tipos de aves e mamíferos no Zoológico do Rio de Janeiro, durante um período de quatro anos, e um caso de óbito de um espécime de ema por miíase faringeal no Zoológico do Rio de Janeiro.Outros6 estudaram a flutuação populacional da Stomoxys calcitrans na Agrobiocenose em Pelotas, RS, utilizando uma armadilha de Magoom. Estes autores capturaram maior número de espécimes em outubro, novembro e dezembro e o menor número em junho e agosto.

O objetivo deste trabalho é a análise da sazonalidade e prevalência dos dípteros de importância Médica Veterinária no Zoológico da Unversidade Federal do Mato Grosso (UFMT).

MATERIAL E METODOS

As capturas foram feitas no Zoológico da UFMT, por utilização de três armadilhas orientadas pelo vento, com iscas diferentes. As armadilhas foram penduradas a uma altura mínima de 1,50m do solo, e identificadas de acordo com a isca utilizada: armadilha 1 (fezes), armadilha 2 (peixe ou víscera) e armadilha 3 (banana). A intervalos regulares de 72 horas, foram realizadas revisões das armadilhas para troca das iscas e coleta das moscas capturadas.

Todas as moscas capturadas foram imobilizadas pelo frio e mortas por asfixia para posterior classificação e contagem. Os cálculos de prevalência e sazonalidade foram feitos, agrupando-se os resultados das coletas para cada mês do ano. Avaliando-se também a preferência dos diferentes dipteros para as diferentes iscas utilizadas.

A identificação taxonômica das moscas coletadas foi realizada de acordo com a chave dicotômica de James7.

RESULTADOS

Ao todo foram capturados 3579 dípteros no período de janeiro a dezembro de 1996. Destes, 90,22% (3228) pertenciam as famílias Calliphoridae, Muscidae e Sarcophagidae e 9,78% (351) não. Durante o período de observação, a família Calliphoridae foi a mais frequente com 2601 espécimes capturados, com predominância do gênero Chrysomyia (2600 espécimes) e apenas 1 espécime de Cochiomyia foi capturado. O gênero Chrysomyia apresentou preferencia para a armadilha com isca de banana durante os meses de janeiro a abril, embora a armadilha com isca de víscera tenha sido a que apresentou maior eficácia de captura ao longo do ano. Quarenta e nove dípetros pertenciam à família Muscidae, sendo 41 Musca domestica, 7 S . calcitrans e 1 Haematobia irritans. 578 dípteros pertenciam à família Sarcophagidae, na qual não foi feita a identificacãode gênero e espécie.

Os resultados obtidos nas capturas realizadas durante o período de janeiro a dezembro de 1996 podem ser melhor analisados na Figura 1, enquanto que a eficácia comparativa das três armadilhas utilizadas pode ser melhor analisada na Figura 2.

 


Figura 1. Diagrama linear demonstrativo da sazonalidade de dípteros,
capturados em armadilhas orientadas pelo vento no zoológico da UFMT,
durante o período de janeiro a dezembro de 1996.


Figura 2.- Diagrama linear para análise comparativa da prevalência de
dípteros capturados em armadilhas orientadas pelo vento, utilizando-se
isca de fezes (Armadilha 1), vísceras (Armadilha 2) e banana (Armadilha
3), no zoológico da UFM T, durante o período de janeiro a dezembro de
1996.


Figura 3. Diagrama linear da variação mensal de temperatura média compensada e umidade relativa
durante o período de janeiro a dezembro de 1996 (9° DEMET).

DISCUSSÃO

A inexistência de trabalhos em condicoes climáticas similares impossibilita o processo de análise comparativa a partir dos resultados obtidos. No entanto os resultados apresentados neste trabalho estao de acordo com observações feitas de outros2, quanto a flutuação sazonal de gêneros da família Calliphoridae. Estes autores observaram maior frequência para meses de baixo índice pluvial.

REFERENCIAS

1 - 9° DEMET - 9° Distrito de Metereologia de Mato Grosso, 1998.         [ Links ]

2 - ALMEIDA M.A.O, SANTOS E.P, SILVA, A. Flutuação populacional de Cochiomyia hominivorax (Coquerel, 1858) em Salvador, Bahia. Rev brasil de Parasitol Vet, . 1 : 2-35. 1991.        [ Links ]

3 - RODRIGUEZ Z B., BRUM J.G.W; RIBEIRO P.B., Flutuação populacional de dípteros sinantrópicos rurais em três tipos de armadilhas no município de Pelotas, RS., An VIII Sem Brasil Parasitol Vet, Londrina, PR 1993.        [ Links ]

4 – FEDULLO L P L; OLIVEIRA V C.; BABOSA G.T; OLIVEIRA V.L., Ocorrência de miíases provocadas por larvas de Cochiomyia hominivorax em mamíferos mantidos na fundação Rio Zoo. XVIII Cong Brasil Soc Zool Brasil, RJ, p. 64 1994.        [ Links ]

5 – FEDULLO L P L., OLIVEIRA V C., Ocorrência de miíase em Rhea americana (Linné, 1758), Família Rheidae, provocada por larvas de Cochiomyia hominivorax (Díptera, Calliphoridae), na Fundação Rio Zoo, XVIII Cong Brasil Soc Zool Brasil, RJ, p. 64. 1994 .        [ Links ]

6 – RODRIGUEZ Z.B., BRUM J G W, RIBEIRO P B, Flutuação populacional de Stomoxys calcitrans (Diptera, Muscidae) na Agrobiocenose em Pelotas, RS, Abstract do XV Cong Panam Ciências Vet, Campo Grande, MS, p. 320 1996.        [ Links ]

7 - JAMES M T. , The flies that cause myiasis in man; United States Department of Agriculture, Miscellaneous publication n° 631, Washington, D. C. 1964         [ Links ]