SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.74 número5Crescimento físico de crianças indígenas xavantes de 5 a 10 anos de idade em Mato Grosso índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Revista chilena de pediatría

versión impresa ISSN 0370-4106

Resumen

FRAGA, José Carlos et al. Indução de empiema em ratos através da inoculação pleural de bacterias. Rev. chil. pediatr. [online]. 2003, vol.74, n.5, pp. 526-533. ISSN 0370-4106.  http://dx.doi.org/10.4067/S0370-41062003000500013.

Objetivo: avaliar a indução experimental de empiema em ratos, através da inoculação intrapleural de duas bacterias (Pasteurella multocida e Staphylococcus aureus), utilizando técnica cirúrgica simples e de fácil execução. Métodos: foram utilizados 24 ratos albinos da raça Wistar, de ambos os sexos, pesando entre 250 e 300g, que, após a anestesia geral, foram submetidos à toracotomia anterior direita, afastamento da musculatura e inoculação de 0,2 ml de solução, conforme descrição a seguir: grupo I (n = 12), inoculação de Pasteurella multocida, 10 10 unidades formadoras de colônia/ml cultivados em caldo cérepo-coração; grupo II (n = 8), inoculação de Staphylococcus aureus, 10 10 unidades formadoras de colônia/ml cultivados em caldo cérepo-coração; e grupo III (n = 4), inoculação de caldo cérepo-coração estéril (controle). Os animais foram sacrificados em até 7 dias, e a intensidade da reação pleural analisada macroscopicamente conforme escala padronizada. Também foram avaliados a mortalidade, o volume de líquido na cavidade pleural e o exame bacteriológico (animais mortos e líquido pleural). Resultados:no grupo I (Pasteurella multocida), sete ratos morreram nas primeiras 48 horas de experimento. Cinco ratos foram sacrificados no período programado, mas nenhum deles apresentava empiema. No grupo II (Staphylococcus aureus), somente um animal morreu nas primeiras 24 horas, os outros 7 (88%) foram sacrificados e apresentavam empiema. No grupo III, considerados controles, todos os animais sopeviveram, não se observando nenhuma anormalidade torácica ao sacrifício. Analisando conjuntamente os grupos, a indução de empiema esteve associada de maneira significativa à inoculação de Staphylococcus aureus no espaço pleural (p < 0,001). A quantidade de líquido obtida na cavidade pleural dos ratos deste grupo variou de 0,9 ml a 3,9 ml. Conclusões: é possível induzir a formação de empiema em ratos, utilizando técnica cirúrgica simples, com a inoculação de Staphylococcus aureusno espaço intrapleural. A Pasteurella multocida, diferentemente do que ocorre em outros modelos animais, não foi capaz de induzir empiema nos ratos

Palabras clave : doenças pleurais; Staphylococcus aureus; Pasteurella multocida.

        · resumen en Inglés     · texto en Español