ISSN 0719-3890 versão online
ISSN 0719-3882 versão impressa

INSTRUÇÕES AOS AUTORES

Escopo e política

A revista Chilean Journal of Agricultural & Animal Sciences (ex-Agro-Ciencia) é uma revista científica que publica resultados de pesquisa de todas as especialidades de agronomia, engenharia agrícola e medicina veterinária, que aplica o princípio de avaliação por pares de forma anônima.

A partir do Vol. 29 N° 2 de 2013 mudou o seu nome adquirindo novos números ISSN e, a partir de 2014, são publicados três números ao ano, em maio, agosto e dezembro.

São recebidos artigos originais, escritos em espanhol ou inglês, que não tenham sido publicados ou enviados simultaneamente a outra revista científica, ou publicados em anais de congresso. Os manuscritos serão submetidos ao processo de avaliação por pares de duplo anonimato, ou seja, os avaliadores não conhecem os nomes dos autores, e os autores não sabem quem são os avaliadores. Os autores podem sugerir avaliadores, contudo os editores se reservam o direito de solicitar arbitragem a outros pesquisadores; o processo manterá sua característica de anonimato. Não se cobra pela publicação dos artigos.

Em caso de dúvida ou de conflito sobre o aceite para publicação de um manuscrito, ou caso o autor o solicite, o editor tomará a decisão de solicitar a contribuição de um ou mais avaliadores adicionais, contudo uma vez tomada a decisão final não serão aceitas apelações.

A revista adere às normas das revistas acesso libre (Open Access). Os artigos são publicados de acordo às normas de Creative Commons Attribution License, que permite o uso da informação sempre que a revista seja corretamente citada.

Copyright. Os artigos publicados tornam-se propriedade da revista e citar esta fonte será requisito para reproduzir a informação de forma parcial ou na sua totalidade.

Seções

A. Artigos de pesquisa

Os artigos de pesquisa entregam a comunidade científica os resultados da pesquisa realizada pelos autores, devem ser originais, entregar contribuição ao conhecimento, com desenho experimental e análises estatísticas adequadas às características da pesquisa, e com uma revisão bibliográfica atualizada, ou seja, com revistas cuja média não seja maior de 10 anos de publicação.  

Devem ter um máximo de 20 páginas, tamanho carta, com texto, tabelas e figuras incluídos, letra Times New Roman, tamanho 12, entrelinha 1,5, margens 2,5 cm por lado, número de páginas e entrelinhas numeradas. Só em casos muitos específicos o editor poderá autorizar artigos com maior extensão.

B. Notas científicas.

São comunicações breves, sobre métodos, técnicas, ou avance de alguma pesquisa. O formato em geral é o mesmo que o dos artigos de pesquisa, mas com uma extensão não maior de 12 páginas.

C. Artigos de revisões.

São revisões bibliográficas com uma contribuição original do autor. Pode ser pedida pelo editor, o ser enviada para revisão do Comitê Editor, e são submetidos a uma revisão por pares. Esta publicação não pode ter mais de 22 páginas, incluindo bibliografia, tabelas e figuras, e deve ter as mesmas características de um artigo de pesquisa.

D. Opiniões.

São breves escritos por prestigiosos pesquisadores, que expressam sua opinião sobre áreas científicas ou técnicas, para que possa contribuir ao conhecimento. Não deve ter mais de 10 páginas.

E. Comentários de livros.

São notas, com análise de um livro recentemente publicado, não devem superar 5 páginas.

Forma e prepação de manuscritos

Formato

Para preparar o artigo use Word 2007 ou posterior, com uma margem superior, inferior e esquerdo de 2,5 cm, e para a margem direito de 3,0 cm. Use a opção "Justificada", para que o texto fique justificado em ambas margens.  Use letra Times New Roman, Tamanho 12, com entrelinhas de 1,5. Use negrito para o título principal, nome de autores, títulos de seções, subtítulos, resume e abstract. Coloque número de página correlativo no canto superior direito e numere as entrelinhas. Escreva o título de cada seção centralizado, em maiúscula e com negrito; os subtítulos devem aparecer à esquerda em minúscula e com negrito.

Organize o texto com as seguintes seções: TITULO, RESUME (COM PALAVRAS CHAVES), ABSTRACT (COM KEY WORDS), INTRODUÇÃO, MATERIAS E MÉTODOS, RESULTADOS E DISCUSSÃO, AGRADECIMENTOS E BIBLIOGRAFIA (Mais informação a continuação). A seção Resultados e Discussão, podem ser apresentadas juntas ou separadas. Em caso de dúvidas, se sugere olhar uma revista recente da revista.

Caso deseje mais antecedentes, sugerimos que olhe uma excelente publicação sobre formato e estilo, em American Society of Agronomy (ASA), a Soil Sicnece Society of America (SSSA) e na Crop Science Society of America (CSSA), nesses journals se pode acessar online em:   https://dl.sciencesocieties.org/publications/style/. Para Agronomy Journal o link é: https://dl.sciencesocieties.org/publications/aj.

1.-TITULO.

O título deve identificar o conteúdo a temática do artigo. Deve ser claro, conciso, relativamente curto (não mais de 18 palavras). Evite iniciar com palavras como: Efeito de, Influencia de, etc. Use o nome comum das plantas, insetos ou patógenos, e entre parêntesis indique o nome científico em itálica, com letras minúsculas, exceto a primeira letra do gênero do autor.

O título principal deve estar escrito no idioma do artigo, com letras maiúscula, em negrito e centrado, seguido de sua tradução ao inglês ou espanhol, com letras maiúscula, centralizado e sem negrito. Os autores se devem indicar nomes e sobrenomes, e com números sobrescrito para sua vinculação ao lugar onde trabalha, endereço, cidade, estado e país e e-mail. O autor para correspondência deve ser indicado com um asterisco.  Se tiver dúvidas, sugerimos que olhe o formato em algum número recente. Sugira algum título abreviado, com menos de 10 palavras, que aparecerá na margem superior de cada página ímpar de revista. 

2.- RESUMO

Esta é a parte mais lida de um artigo científico. Permite ao leitor conhecer o conteúdo e o orienta e estimula para sua leitura completa. Deve ser apresentado em um único parágrafo, com o máximo de 250 palavras, deve ser composto por cinco seções: uma breve frase introdutória indicando a importância do tópico, indicar os objetivos, os matérias e métodos usados, os principais resultados e as principais conclusões.  Fórmulas e referências não devem ser incluídas.

Depois de deve colocar Palavras chaves: com um máximo de seis, que não estejam no título e que sejam utilizadas pelos sistemas de busca de bibliografia.

3.-ABSTRACT

O Abstract deve ser em negrito. Corresponde a tradução do Resumo ao inglês.  Posteriormente colocar key words.

4.- INTRODUÇÃO.

Esta seção permite ao leitor conhecer o conteúdo do ártico, coloca em perspectiva a pesquisa que se está informando. Devem entregar-se antecedentes que destaquem a importância da pesquisa, apresentar em forma condensada as principais e mais recentes pesquisas relacionadas com o tópico, apoiados com referências de não mais de 10 anos de antiguidade, salvo exceções que sejam justificáveis. Dependendo do tipo de pesquisa, pode-se indicar a ou as hipóteses demonstradas. Esta seção deve ser finalizada indicando de forma clara os objetivos.

Recomenda-se não citar todas as publicações escritas sobre o tópico, só as mais atualizadas e importantes. Outras referências devem ser incluídas em Resultados e Discussão. A redação deve ser clara, precisa e concisa.

5.- MATERIAIS E MÉTODOS.

O requisito fundamental para esta seção é que os autores entreguem toda a informação sobre os materiais e métodos usados, para que outro pesquisador possa repetir ou examinar a pesquisa e obter os mesmos resultados. Deve-se informar ano e lugar onde foi realizada a pesquisa, incluir coordenadas geográficas. A descrição dos Materiais e Métodos deve ser concisa, se as técnicas ou procedimentos utilizados foram duplicados antes, deve-se informar e entregar referência bibliográfica. Os casos que tenham modificações importantes em relação ao original, devem ser informados de forma clara.
Quanto aos aparelhos utilizados, a primeira vez que se menciona deve-se indicar o nome genérico e entre parêntese a informação do fabricante (marca, modelo, cidade, estado se corresponde, e país).

Os produtos químicos devem ser mencionados pelo seu nome genérico, nome técnico ou ingrediente ativo, e a dose usada de ingrediente ativo; entre parêntese indicar nome e marca comercial só a primeira vez que se menciona.

Deve-se indicar o desenho experimental usado e a análise estatística realizada, indicando as referências bibliográficas e incluí-las na seção correspondente. Geralmente quando existe algum efeito do meio ambiente as pesquisas devem ser repetidas no tempo ou no espaço.

6.-RESULTADOS E DISCUSSÃO

Os resultados e discussão podem ser apresentadas juntos ou separados. Sugerimos que seja em uma única seção. O autor deve se apoiar em tabelas e figuras, que se devem listar correlativamente à medida que se mencionam no texto. Evite repetir a informação de tabelas ou figuras, só destaque o mais relevante.

Tabelas e figuras devem ser autoexplicativas, de tal forma que o leitor não tenha que ir ao texto para entender a informação que se entrega; devem ter um título informativo, os nomes científicos dos organismos mencionados, e como pé de tabela ou figura a definição das abreviaturas, símbolos, unidades etc., ainda se tenha sido explicado no texto.

A discussão deve restringir-se aos aspectos mais importantes da pesquisa, apoiando-se fortemente na análise estatística, enfatizando a interpretação dos resultados, sua comparação com os resultados informados por outros pesquisadores e a inovação da pesquisa.

7.- CONCLUSÕES

Devem apresentar as principais conclusões obtidas. Devem ser redigidas de acordo com os objetivos da pesquisa. Outros comentários devem aparecer na seção de Resultados e Discussão. Não listar as conclusões.

8.-AGRADECIMENTOS.

Os autores podem agradecer a colaboração de pessoas, instituições ou fontes de financiamento de projetos; esta seção deve estar antes das Referências.

9.- REFERÊNCIAS

Todas as referências bibliográficas citadas no texto devem estar nesta secção. Se deve assegurar que não existam referências não citadas. Devem ser listadas em ordem alfabética pelo sobrenome do primeiro autor; em caso de haver repetição de sobrenome   de dois ou mais autores, deve-se apresentar usando o segundo autor, e caso for necessário baseia-se no terceiro autor.

Quando existe coincidência de sobrenome, as referências devem ser apresentadas em ordem cronológico. O primeiro autor deve estar citado pelo sobrenome paterno e a inicial do seu nome, e os coautores devem ser citados colocando a inicial do nome primeiro e depois o sobrenome. Os autores vão separados por uma vírgula, inclusive o último autor, que aparece precedidos com a letra/palavra "y", "and", "et", "e", "und", etc. de acordo ao idioma que corresponda. As referências devem estar apresentadas no seu idioma oficial. Em casos de más de seis autores, devem ser indicados os seis primeiros e posteriormente a abreviatura et al., sem itálica.

No texto devem ser citados por autor(es), ano  e cronologicamente. As citações devem aparecer separadas por ponto e vírgula (;). Caso forem apenas dois autores, se deve citar ambos sobrenomes, caso forem mais de dois autores se deve citar o primeiro e logo a abreviatura et al., sem itálica. Em caso de existirem várias citações de um mesmo autor(es), publicadas no mesmo ano, devem ser diferenciadas com uma letra minúscula junto ao ano, sem espaço, a letra "a" será designada para a primeira referência que aparece citada no texto e assim sucessivamente. Em caso de haver referências do mesmo autor, com mais com diferentes anos, devem estar separadas por ponto e vírgula (;).

As referências devem corresponder a artigos publicados em revistas científicas de corte principal, e não deveriam ter mais de 10 anos de publicadas. Podem ser revistas impressas ou publicadas eletronicamente. Não está recomendado, mas se aceita em forma muito restringida, referências de textos, teses, e resumos de trabalhos apresentados em Congressos científicos. Não se aceitam referências de artigos publicados em revistas sem Comité Editorial e sem avaliação por pares, publicações de docentes, e referências de páginas Web pessoais.

O formato das referências está indicado a continuação.

10.-TABELAS

As tabelas devem ser feitas usando Tabela de Word, não são aceitados artigos com tabelas feitas com a barra de espaço ou tabulações. Devem ser enumeradas com números árabes correlativos de acordo com a sequência que está indicada no texto. Usar entrelinhas de1,5. O título de cada tabela deve ser informativo. Devem ser autoexplicativas, para que o leitor não precise ir voltar ao texto para poder entendê-la; indique a sensibilidade da análise estadística (p > 0.05, p > 0.01), e explique abreviaturas e outros signos como nota ao pé da tabela. Deve-se indicar o nome cientifico quando corresponda. Traduzir o título ao inglês.

Os encabeçados das filas e colunas devem ser autoexplicativos; se for necessário abreviá-los deverá incluir a definição da abreviatura como nota ao pé.  Indicar as unidades de medida em cada caso, só usar unidades do Sistema Métrico Internacional (SI). Os valores das tabelas devem estar alinhados, com a vírgula decimal e todos os valores devem ser apresentados com o mesmo número de decimais.

11.FIGURAS

As figuras devem ser autoexplicativas, para que o leitor não precise ir voltar ao texto para poder entender algum detalhe. O título deve ser informativo, e todas as abreviaturas usadas devem ser explicadas como nota ao pé. A informação deve ser clara e deve conter as unidades de medida.

Identifique em ordem correlativo, com números árabes todas as figuras (gráficos, desenhos e fotografias), de acordo com a sequência que está indicada no texto.

No texto deve ser citado como Fig. 1, Fig. 2, Figs. 1-5, etc. Não encaderne os gráficos. Os desenhos e fotografias devem estar bem contrastados e devem apresentar uma escala.  As unidades de informação nos gráficos e desenhos devem ser nítidas, de tamanho e espessura suficiente para assegurar sua legibilidade.

12.-NOMES CIENTIFICOS

Os científicos completos (gênero, espécie e autor) devem ser entregados na primeira menção de um vegetal, inseto, doença, fungo, etc. Já seja no título, resumo, no texto, nas tabelas e figuras.

O gênero e a espécie se escrevem com itálica, e o autor com letra normal. Por exemplo, arroz (Oryza sativa L.). Os nomes científicos podem se abreviar depois da primeira vez que é indicado, colocando a inicial do gênero e a espécie completa (ex.: O. sativa), exceto se outros gêneros são indicados com a mesma inicial, e que poderiam causar alguma confusão. Não use abreviatura do nome do gênero ao começo de uma frase. Utilize itálico quando só indique o gênero.

13.-ABREVIATURAS.

Todas as abreviaturas devem ser explicadas ou definidas a primeira vez que se indica, já seja no texto, como em tabelas e figuras. Escreve-se a palavra ou informação completa e a abreviatura entre parêntese; depois só use a abreviatura. Só são permitidas usar abreviaturas de uso internacional. Todas as abreviaturas e siglas devem ser usadas sem ponto.

14.-SITEMA METRICO.

Todas as medidas devem ser expressadas com as unidades do Sistema Métrico Internacional (SI), sem ponto final. Litro deve ser abreviado "L", para evitar confusões, mais kg, ha, g, mm, etc são abreviados com minúscula. Se usa a anotação exponencial, deixando só um espaço para indicar multiplicação, ex.: kg ha-1, mg kg-1, mL L-1.

Os decimais são escritos com vírgula em espanhol e com um ponto em inglês.

15.-NOMES DE CULTIVOS

Nos vegetais, as palavras cultivar ou variedade são entendidas como sinônimos, e devem ser abreviadas cv. ou var., respectivamente. Sugerimos usar a palavra "cultivar" para evitar confusões com a "variedade" botânica. O uso de haspas simples indica que se trata de cv. ou var., não é necessário repetir a palavra. Ex.: Quando se escreve: Triticum aestivum ‘Chifen', se lê “Triticum aestivum cultivar Chifen”.

16. NOMES COMERCIAIS E MARCAS

Deve-se evitar o uso de nomes ou marcas comerciais. Deve-se usar o nome comum, nome técnico, ou ingrediente ativo; caso seja necessário indicar a marca, faça-o na primeira vez que aparecer entre parêntese com o símbolo ®.

NORMAS GERAIS PARA ESCREVER REFERÊNCIAS

As citações são uma parte muito importante de um artigo científico, indica que os autores estão atualizados no tema, que conhecem e reconhecem o que há de mais relevante já publicado, permitindo evitar plágios. São profundamente analisadas pelas entidades que trabalham com as bases de dados, dado que permitem obter indicadores de citabilidade tão importantes como o fator de impacto, fator h, índice de imediaticidade etc. Um princípio importante é que a informação da citação deve permitir acessá-la ou localizá-la através dos sistemas de busca bibliográfica sem dificuldade, de tal forma que todo pesquisador interessado possa encontrá-la.

Apresentam diversos elementos ou componentes, elencados em um ordem estabelecida e normas de pontuação específicas, indicadas nos exemplos apresentados mais adiante.

Os artigos devem ser citados indicando autor(es), ano, título, nome da revista abreviado ou em extenso, N° do volume e paginação, separados por dois pontos (:); no caso de revistas com paginação que se inicia em cada número, deve-se incluir entre parênteses o N° da revista após o do volume. Não utilizar espaço antes ou após os dois pontos (:). Caso a citação tiver dois números colocar no final.

Nas citações de livros indica-se o autor(es), ano, título completo, N° da edição quando se tratar  da segunda ou posterior, editorial ou instituição editora, cidade, estado quando for o caso e país.

Lembramos que também há autores institucionais ou corporativos. Não confundir imprensa com editora. No caso de capítulos de livros, cita-se o autor(es) do capítulo, ano, nome do capítulo, paginação, então,  precedido da palavra "En" ou "In", de acordo com o idioma, cita-se o livro.

As referências online devem conter o autor(es), ano, título completo do artigo, URL completa e data da consulta ou acesso. No caso de instituições cite a sigla ou o nome completo do autor coorporativo.

Para as citações de congressos a norma é a seguinte: Autor(es), ano, título do artículo, y paginação. Após de "In" ou "Em", de acordo com o idioma, editor(es), título da publicação ou nome do evento, cidade, estado e se for o caso, país onde foi realizada e a data. A seguir deve ser indicada a entidade editora, cidade e país desta entidade.

Exemplos de referências.

Referências de journals

Halvorson, A.D., C.S. Snyder, A.D. Blaylock, and S.J. Del Grosso. 2014. Enhanced-effiency nitrogen fertilizers: Potential role in nitrous oxide emission mitigation. Agron. J. 106:715–722. doi:10.2134/agronj2013.0081.

Zajac, C.C., A.G. Vallejos, E.M. Zajac, y J. Galantini. 2013. Análisis del rendimiento en cereales de invierno mediante mapas de rendimiento y el Índice de Vegetación de Diferencia Normalizada (NDVI) en el Sudoeste Bonaerense, Argentina. Chilean Journal of Agricultural & Animal Sciences, ex Agro-Ciencia 29:95-102.

Botta, G., J. Ressia, H. Rosatto, M. Tourn, y E. Soza. 2005. Efecto de la labranza vertical sobre el suelo y el rendimiento del cultivo de girasol (Helianthus annus L.). Agro-Ciencia (Chile) 21:5-12.

Dosdall, L.M., K.N. Harker, J.T. O’Donovan, R.E. Blackshaw, H.R. Kutcher, Y. Gan, and E.N. Johnson. 2012. Crop sequence effects on root maggot (Delia spp.) (Diptera: Anthomyiidae) infestations in canola (Brassica napus L.). J. Econ. Entomol. 105:1261–1267. doi:10.1603/EC11440.

Mahmoud, S.S., and R.B. Croteau. 2003. Menthofuran regulates essential oil biosynthesis in peppermint by controlling a downstream monoterpene reductase. Proc. Natl. Acad. Sci. USA 100:14,481–14,486.

Referências de livros

SAS. 2003. The SAS system for Windows. Release 9.1.3. p. 83-122. SAS Institute, Cary, North Carolina, USA.

Montgomery, D.C. 2009. Design and analysis of experiments. 7th ed. John Wiley & Sons, New York, USA.

Steel, R.G.D., and J.H. Torrie. 1960. Principles and procedures of statistics. McGraw-Hill, New York, USA.

Stolpe, N.B. 2006. Descripción de los principales suelos de la VIII Región de Chile. Universidad de Concepción, Facultad de Agronomía, Chillán, Chile.

Capítulos de livros

Serri, H., A. Venegas, y J. Ocampo. 2005. El cerezo en la VIII Región de Chile. p. 25-34. En G. Lemus (ed.) El cultivo del cerezo. Boletín INIA N° 133. Instituto de Investigaciones Agropecuarias, Santiago, Chile.

Rios-Estepa, R., G.W. Turner, J.M. Lee, R.B. Croteau, and R.W. Bell. 2008. Sulfur and the production of rice in wetland and dryland ecosystems. p. 197–218. In J. Jez (ed.) Sulfur: A missing link between soils, crops, and nutrition. Agron. Monogr. 50. ASA, CSSA, SSSA, Madison, Wisconsin, USA.

Páginas web

INE. 2007. VII Censo Nacional Agropecuario y Forestal. Instituto Nacional de Estadísticas (INE), Santiago, Chile. Disponible en http://www.censoagropecuario.cl/noticias/08/6/10062008.html. (Consulta 5 marzo 2008).

Canola Council of Canada. 2014a. Growing above and beyond, Canola Council of Canada 2013 annual report. Canola Council of Canada. Available at www.canolacouncil.org/media/549926/2013_annual_report.pdf. (Accessed 12 March 2014).

Manitoba Agriculture, Food and Rural Development. 2014. Soil fertility guide. Government of Manitoba. Available at www.gov.mb.ca/agriculture/crops/soil-fertility/soil-fertility-guide/nitrogen.html#pulse. (Accessed 17 Apr. 2014).

Congressos

Mery, L., A. Machuca, A. Hinojosa, R. Infante, V.H. Escalona. 2010. Efecto del tipo de corte y temperatura de conservación sobre la tasa respiratoria y el color en pera ‘Packham’s Triumph’ mínimamente procesada en fresco. p. 137. En LXI Congreso Agronómico, 56th ISTH Annual Meeting, ISHT Reunión Anual, 11° Congreso Sociedad Chilena de Fruticultura. 26–29 de Septiembre. Santiago, Chile. Sociedad Agronómica de Chile (SACH), Santiago, Chile.

Boletins

Ruiz, C. (ed.). 2009. Gestión del riesgo agropecuario. Boletín INIA N° 186. Instituto de Investigaciones Agropecuarias, Centro Regional de Investigación Quilamapu, Chillán, Chile.

Gadberry, S. 2010. Water for beef cattle. Univ. Arkansas Coop. Ext. Serv. FSA3021. Univ. of Arkansas Div. Agric., Little Rock, Arkansas, USA.

Teses

Salazar P., F. 2005. Susceptibilidad a thiamethoxam y thiacloprid en cinco poblaciones de mosquita blanca Bemisia tabaci Gennadius (Hemiptera: Aleyrodidae) de México. Tesis Magister en Ciencias. Colegio de Postgraduados, Montecillo, Estado de México, México.

Abstracts

Marcum, D.B., and B.R. Hanson. 2006. Effect of irrigation and harvest timing on peppermint oil yield in California. J. Agr. Water Manag. 82:118–128. (Abstract).

Envio manuscritos

O manuscrito deve ser enviado ao Editor, correio eletrônico agro-ciencia@udec.cl. O manuscrito deve vir acompanhado de uma carta ao Editor, assinada pelo autor para correspondência, na qual se manifeste que o artigo é original, que não foi publicado nem foi enviado para publicação a outras revistas, e que todos os autores aprovaram a versão enviada para publicação.

Envie o manuscrito como documento de Word 2007 ou una versão mais recente; são aceitadas na versão Word 97-2003. As tabelas devem ser feitas usando o menu Tabelas de Word, não serão aceitas tabelas feitas utilizando tabulador ou barra de espaços. As figuras devem ser nítidas, aptas para publicar em branco e preto, com seus eixos rotulados incluindo as unidades de medida. Todas as unidades devem ser aquelas aceitadas pelo Sistema Internacional de Medidas (SI), usando a notação exponencial, e.g., mg kg-1. As fotos devem aparecer separadas, em formato jpg, tiff o similar, e com una resolução mínima de 300 dpi.

Recepção e aceite de manuscritos

O manuscrito recebido para publicação será registrado e receberá um código que deve ser utilizado em toda comunicação entre o Editor e o autor, este será informado ao autor via email solicitando-lhe que acuse recebimento. Os trabalhos recebidos para publicação serão revisados pelo Editor, quem verificará que o manuscrito esteja de acordo com a linha editorial da revista, e realizará uma revisão de redação, de formato e estilo, e que as normas da revista estejam cumpridas, de acordo ao que foi indicado nestas Instruções aos Autores. Em caso de haver observações o manuscrito será enviado ao autor para que seja realizada uma nova versão. Posteriormente o manuscrito será enviado a um Editor Associado e a pares avaliadores, destacados especialistas do país e do estrangeiro, que realizam a avaliação de forma anônima. Todo artigo precisa cumprir na íntegra com as normas de publicação da revista Agro-Ciencia antes de ser submetido a arbitragem.

Consultas: Editor Agro-Ciencia, E-mail: agro-ciencia@udec.cl, Casilla 537, Chillán, Chile. Fono: (56-42) 22208743.

[Sobre esta revista] [Corpo editorial] [Assinaturas]


Universidad de Concepción

Avda. Vicente Méndez 595
Casilla 537
Chillán - Chile

Tel.: (56-42) 2208743


agro-ciencia@udec.cl